Moraes leva adiante processo em que moro acusa o presidente de interferir na PF

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 28 de outubro de 2020 as 14:53, por: CdB

“Solicitem-se à autoridade policial designada nestes autos, informações sobre o andamento das investigações apontadas no despacho de polícia judiciária nº 458/2020. Cumpra-se”, determinou Moraes.

Por Redação, com Reuters – de Brasília

O ministro Alexandre Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), pediu informações à Polícia Federal, nesta quarta-feira, acerca do andamento das investigações do inquérito em que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi acusado pelo ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro de tentar interferir na PF.

Os ministros Dias Toffoli e Alexandre de Moraes conversam, em evento público

“Solicitem-se à autoridade policial designada nestes autos, informações sobre o andamento das investigações apontadas no despacho de polícia judiciária nº 458/2020. Cumpra-se”, determinou Moraes, em despacho publicado no Diário de Justiça desta terça-feira. Essa foi a primeira decisão do ministro do STF como relator do inquérito, após a aposentadoria do então decano da Corte Celso de Mello, que conduzia o caso.

Moraes foi sorteado relator após o presidente do Supremo, Luiz Fux, ter atendido a um pedido da defesa de Moro e determinado a redistribuição do inquérito. Se essa investigação não fosse redistribuída, o caso seguiria, naturalmente, para Kassio Marques, escolhido por Bolsonaro para a vaga no STF aberta com a aposentadoria de Celso de Mello.

Plenário

O inquérito, aberto no final de abril, está em sua reta final. O Plenário do STF precisará decidir se o presidente vai depor por escrito ou presencialmente. Esse debate foi ao colegiado, mas somente Celso de Mello, às vésperas de se aposentar, votou a favor do depoimento presencial.

O presidente do Supremo não marcou ainda a retomada dessa discussão em plenário. Após essa diligência e caso não houver outras apurações a serem realizadas, a expectativa é que o inquérito venha a ser concluído e caberá ao procurador-geral da República, Augusto Aras, decidir se denuncia Bolsonaro, se arquiva o inquérito ou pede novas diligências.

Bolsonaro nega ter cometido qualquer irregularidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *