O mundo pós-Trump e a possível liderança da União Europeia

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Europa, Últimas Notícias
Publicado domingo, 22 de novembro de 2020 as 14:42, por: CdB

O governo Trump operou uma ruptura real com o princípio norteador da política externa norte-americana do pós-guerra fria, segundo o qual seus rivais seriam incluídos no sistema internacional como supostos “parceiros responsáveis”.

Por Marilza de Melo Foucher – de Paris

A situação da política internacional já parecia complexa e atualmente, com a pandemia, ela é quase indecifrável. Os governantes do Norte/Sul agora têm os olhos voltados para os Estados Unidos, como se a derrota de Trump pudessem modificar o cenário internacional que ele bagunçou durante 4 anos.

Bandeiras da União Europeia do lado de fora da sede da Comissão Europeia em Bruxelas
Bandeiras da União Europeia do lado de fora da sede da Comissão Europeia, em Bruxelas

O governo Trump operou uma ruptura real com o princípio norteador da política externa norte-americana do pós-guerra fria, segundo o qual seus rivais seriam incluídos no sistema internacional como supostos “parceiros responsáveis”. Todavia, ao questionar o multilateralismo e suas instituições, a América de Donald Trump se transformou em um “aliado irresponsável”, como bem descreve a pesquisadora historiadora Maya Kandel1 rejeitando a ordem internacional construída sob a firme liderança dos Estados Unidos. Donald Trump procurou se livrar das estruturas multilaterais que ele acreditava enfraquecer a soberania norte-americana e ir contra os interesses vitais dos Estados Unidos.

Sem dúvida alguma, quando agiu para enfraquecer os organismos multilaterais, o “transnacionalismo”, Trump tinha claros objetivos: em investir na promoção do nacionalismo econômico norte-americano e para alcançar a meta de reduzir o papel geopolítico da China na cooperação internacional. Na verdade, Trump não seguiu uma política protecionista, soberanista, no sentido de atender os anseios da população que buscavam mais proteção social e econômica; o empresário Trump tinha uma estratégia de tipo mercantilista na defesa de seus próprios interesses. O seu modo de agir demonstrou que ele era mais empresarial do que um representante do povo que o elegeu. Este modo de agir não visava regulamentar, mas obter concessões específicas à serviço de seus industriais. 

Abandono

Outro dado a sublinhar é que não podemos desprezar a inteligência de Donald Trump na percepção da sociedade norte-americana. Durante a campanha passada, ele sentiu a rejeição do globalismo por parte de algumas categorias sociais, sobretudo, as que foram afetadas pela crise financeira de 2007/2008. Por esta razão, ele adotou uma falsa postura protecionista.

O discurso eleitoral e seu mandato foram voltados para atender a uma demanda interna, primeiro de uma parte da elite conservadora branca de extrema direita que defendia o America First e rejeitava em massa qualquer política de migração e de defesa das minorias. Segundo, ao seu eleitorado de baixa classe média e popular que tinha um sentimento de abandono, de falta de proteção do estado norte-americano.

Neste período, surgiam várias críticas sobre o orçamento dos EUA destinado as guerras, aos custos que representavam o papel exercido pelos Estados Unidos como o guardião do mundo em detrimento da proteção de seus concidadãos. O presidente Obama já havia assumido o compromisso de retirar suas tropas de alguns países ou diminuir sua presença.

Anticomunismo

Temos que reconhecer que Donald Trump foi eleito pela primeira vez e quase obteve um segundo mandato porque ele entendeu as ansiedades de parte desta população e prometeu protegê-la contra um mundo exterior considerado hostil. A América “Trumpista”, queria revolucionar a política externa norte-americana, e esse desejo de redefinir a relação da América com o mundo estava no centro de suas promessas de campanha.

O mandato de Trump se inicia com uma enxurrada de decretos que definem em uma semana o cenário para uma Presidência dedicada ao America First e impulsionada pelo desejo de desconstruir o que foi feito por seu antecessor, Barack Obama. Ele satisfez a base de seu eleitorado, além de reforçar os fundamentos da extrema direita norte-americana e, sua ignorância na visão de um “anticomunismo primário”, com certos delírios sobre os democratas que foram classificados como socialistas que preparavam a volta do comunismo.

Onde há ignorância é muito fácil confundir o mal com o bem e a verdade com a mentira. Agindo assim, o governo Trump fragilizou a democracia norte-americana, alimentando mentiras e diluindo durante quatro anos o ódio, além de aprofundar as divisões sociais, econômicas, de gênero e raciais. Hoje, os norte-americanos lutam entre si, enquanto a pandemia se espalha e o número de mortes ultrapassa 240 mil pessoas. O que esta eleição revela, portanto, não é uma vitória da democracia norte-americana, mas, ao contrário, a fragilidade e vulnerabilidade de suas instituições, em uma sociedade fragmentada pela polarização ideológica e identitária.

Caos social

E se a Europa pudesse assumir o papel de leadership na governança mundial…  

Diante deste caos societal criado nos Estados Unidos, dificilmente o governo do senhor Biden poderá priorizar a recomposição da política externa estraçalhada por Trump. A posição internacional dos Estados Unidos, apesar de debilitada junto aos seus parceiros comerciais e à opinião pública internacional, não será tratada de imediato face a urgência interna de quase caos social.

Essa urgência interna não está somente ligada à pandemia da covid 19. Mas, à enfermidade grave que atinge a sociedade norte-americana. Conforme já descrevemos, uma sociedade contaminada pelo ódio e alimentada por uma rede de mentiras que acirram os conflitos e as divisões.

Parece evidente, que o desafio primeiro para o governo Biden é tentar reconstituir uma coesão social numa sociedade em profunda crise. Esta crise social também evidenciou as desigualdades econômicas que aquele país enfrenta. Dedicar-se, prioritariamente, ao cenário internacional seria perigoso. O protecionismo de Trump não apenas enfraqueceu o multilateralismo econômico e político, mas a hegemonia dos Estados Unidos.

Neoliberal

Diante esta configuração, o ideal seria a Europa assumir um protagonismo na cena internacional. Todavia, ela precisa ganhar em eficiência institucional e coesão política, para assumir sua liderança. A União não é vista como um ator eficaz na governança mundial, devido aos desacordos persistentes no seu interior e às suas fragilidades institucionais em certas áreas.

É vital para a União Europeia encontrar parceiros na defesa do multilateralismo fora dos Estados Unidos, a fim de evitar a construção de um mundo de predação onde a doutrina neoliberal reina sozinha. Ela não tem outra escolha senão reagir junto aos aliados para redefinir o papel das instituições multilaterais em um contexto de crise planetária.

Esta inciativa exigirá uma reflexão coletiva e deverá associar os representantes da sociedade civil hoje presente em diferentes plataformas internacionais na luta contra o aquecimento global, contra a pobreza e por um mundo melhor. Hoje, a angústia do futuro se alimenta dos problemas reais tanto nos Estados Unidos, Europa, América Latina e outros continentes.

Os mais pobres

As epidemias se proliferam, o aquecimento global é uma realidade ameaçadora para o planeta Terra. Sabe-se que a governança mundial sob a dominação neoliberal destruiu o Estado Providência. Esta pandemia revela a necessidade de restaurar o Estado Providência diante da crise humanitária que hoje estamos vivendo com o desmantelamento dos serviços públicos essenciais (saúde e saneamento, educação, cultura entre outros); o neoliberalismo criou o desemprego em massa, o aumento de precariedade, a diminuição do poder de compra, o colapso da ascensão social, a aposentadoria, a falta de moradia para as camadas mais pobres, e todos os demais problemas causados pela globalização exclusiva.

A confluência desses problemas de degradação de vida dá suporte à extrema direita. O melhor exemplo hoje é o que se passa nos Estados Unidos! Nesse sentido, as instituições multilaterais devem ser reformadas para buscar respostas para essas angústias que hoje são também globalizadas!

Ao assumir o seu protagonismo face a desordem mundial a União Europeia não deve perder de vista os valores da democracia, dos direitos humanos e o compromisso com o acordo climático que estão hoje no cerne da sua identidade.

Naufrágio

Os Estados Unidos da América post-Trump, sem dúvida, precisarão de muito mais tempo para recuperar sua capacidade de liderança. Dentro da atual conjuntura, a União Europeia e seus aliados não podem esperar que os EUA, por iniciativa própria, restabeleçam sua liderança na  redefinição dos novos rumos nas relações de cooperação internacional.

Por que esperar que os Estados Unidos se recuperem para se reinvestir no multilateralismo? É provável, um retorno às principais organizações e tratados internacionais dos quais Donald Trump decidiu romper dentre estes: Acordo Climático de Paris, o financiamento da Organização Mundial da Saúde, JCPOA sobre a energia nuclear iraniana, o tratado internacional de Céus Abertos com a Rússia.

A União Europeia não pode excluir a Rússia e a China como parceiros, o que resta é definir regras claras sobre o papel de cada um como sobrevivente do naufrágio da ordem mundial vigente.

Marilza de Melo Foucher é economista, jornalista e correspondente do Correio do Brasil, em Paris.

Nota: O multilateralismo é baseado em instituições multilaterais (internacionais e regionais) que são definidas por princípios, como a não ingerência, a não discriminação e o respeito pelos direitos humanos. Os países que aderem a este sistema internacional estão vinculados ao interesse mútuo ou reciprocidade, a fim de alcançar a “ordem acima do caos” em uma base ternária: paz e segurança, prosperidade e bem-estar.

Artigos, livros consultados:

Joseph Stiglitz  Peuple, pouvoir & profits; aux éditions Les Liens qui Libèrent- 2019.

Une Certaine Idée de l’Europe Collectif/Negri Flammarion.

  1. A política estrangeira de Trump pesquisadora e historiadora Maya Kandel.

Trump et l’avenir de la politique commerciale européenne – John Solal-Arouet, Denis Tersen-CairnInfo Politique Etrangère.

États-Unis: un leadership à réaffirmer – Stefan Fröhlich Traduction de Silvia Feranec_ Éditeur : Presses universitaires du Septentrion.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *