Neonazistas da Grécia, Alemanha e Brasil

Arquivado em: Opinião, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 14 de outubro de 2020 as 10:30, por: CdB

No último dia 7, a Justiça da Grécia declarou o partido neonazista “Amanhecer Dourado” como “organização criminosa” e indicou que seus líderes serão condenados a penas severas de prisão. A sentença, considerada histórica, foi comemorada por mais de 15 mil pessoas diante do Palácio de Justiça, em Atenas.

Por Altamiro Borges – de São Paulo

No último dia 7, a Justiça da Grécia declarou o partido neonazista “Amanhecer Dourado” como “organização criminosa” e indicou que seus líderes serão condenados a penas severas de prisão. A sentença, considerada histórica, foi comemorada por mais de 15 mil pessoas diante do Palácio de Justiça, em Atenas.

A Justiça da Grécia declarou o partido neonazista “Amanhecer Dourado” como “organização criminosa”
A Justiça da Grécia declarou o partido neonazista “Amanhecer Dourado” como “organização criminosa”

Segundo relato da agência francesa de notícias France-Presse (AFP), o processo judicial durou mais de cinco anos e foi descrito pelo promotor Thanassis Kambagiannis como “o maior julgamento de criminosos fascistas desde Nuremberg”, o famoso tribunal que condenou os líderes sanguinários da Alemanha hitlerista.

Entre os 45 condenados estão o fundador da organização neonazista, Nikos Michaloliakos, o eurodeputado Yiannis Lagos, que abandonou o partido no ano passado, o ex-porta-voz Ilias Kassidiaris e vários integrantes da direção da legenda, eleitos para o Parlamento em 2012 no auge do Amanhecer Dourado.

Seita promoveu vários atos de violência

De acordo com a AFP, “a corte não anunciou as penas, mas Nikos Michaloliakos e outros condenados podem receber sentenças que vão de 5 a 15 anos de prisão”. A agência lembra que a sigla foi criada nos anos 1980 como reflexo da violenta crise econômica que atingiu o país. Em 2012, ela elegeu seus primeiros deputados.

“Na época, grupos de homens vestidos com roupa preta percorriam as ruas de Atenas e agrediam os críticos da formação, inclusive com barras de ferro, aos gritos de ‘sangue, honra, Amanhecer Dourado’”. O partido promoveu vários atos de violência, como o que resultou no assassinato do rapper antifascista Pavlos Fyssas, em 2013.

“Além do assassinato de Fyssas, o tribunal também examinou duas tentativas de homicídio que envolveram membros do Amanhecer Dourado: uma contra pescadores egípcios em 12 de junho de 2012; e outra contra integrantes do sindicato comunista Pame, em 12 de setembro de 2013”.

O processo judicial levou a decadência da seita neonazistas. Nas eleições legislativas de julho de 2019, ela já não conseguiu uma única cadeira no Parlamento. A decisão histórica de que o partido é uma “organização criminosa” é um golpe nas forças de extrema-direita da Grécia e da Europa, mas elas seguem bem atuantes.

Infiltração nas forças militares da Alemanha

Na mesma semana em que o ‘Amanhecer Dourado’ era proscrito, “o governo alemão revelou um relatório sem precedente sobre a extrema direita nas forças de segurança. Os escândalos se multiplicaram nos últimos meses, com a descoberta de vários grupos de policiais trocando comentários racistas”, destaca o Estadão.

Segundo a reportagem, “um comando de elite infiltrado por neonazistas foi parcialmente dissolvido no meio do ano no Exército… Os serviços de inteligência contabilizam pelo menos 377 casos de extremistas de direita nas forças de segurança, incluindo 319 na polícia, uma minoria entre os 300 mil policiais”.

Como aponta o Estadão, “a relação entre a extrema direita e parte da polícia é algo comprovado no país. O partido Alternativa para a Alemanha (AFD), populista de extrema-direita, é o grupo no Parlamento com mais policiais em suas fileiras: 5 de 89”.

“O terrorismo de extrema direita é considerado uma das principais ameaças à segurança do país e vários casos recentes geraram indignação na Alemanha… Na Renânia do Norte, região mais populosa da Alemanha, pelo menos 30 policiais, atualmente suspensos, trocaram, por meio do Whatsapp, fotos de Adolf Hitler, imagens de suásticas, bandeiras do Terceiro Reich e uma montagem em que um refugiado estava em uma câmara de gás em um campo de concentração”.

“O Exército também não está livre de ligações com os radicais. O KSK, um comando de elite da tropa, foi parcialmente dissolvido em julho deste ano. Ao todo, 20 de seus membros eram suspeitos de pertencer ao movimento neonazista, proporção cinco vezes maior do que no Bundeswehr (Exército) como um todo”, conclui o Estadão.

A piscina com suástica em Santa Catarina

A praga do neonazismo, com seus preconceitos, seus discursos de ódio e suas ações violentas, é expressão da prolongada crise do capitalismo e de suas aberrações. Não é um fenômeno apenas da Europa. Na atual onda reacionária no mundo, a porta do inferno foi aberta; a tampa do esgoto foi retirada. O Brasil não está imune.

Vale o registro aterrorizador do site UOL no último dia 8: “O professor Wandercy Antônio Pugliesi, que ficou conhecido após uma patrulha aérea da Polícia Civil ver o desenho de uma suástica no fundo da piscina de sua casa, candidatou-se a vereador em Pomerode (SC)”, cidade considerada a “mais alemã do Brasil”.

“O professor é filiado ao PL… Nas redes sociais, Wander faz críticas ao PT e ao DEM, partido do atual prefeito de Pomerode, e demonstra apoio ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). ‘Nada mais natural do que ‘bolsonaristas raiz’ serem eleitos em novembro’, escreveu ele em 13 de setembro”.

“Entre declarações de ‘não ao comunismo’ e ‘não podemos deixar a esquerda tomar conta das seções eleitorais’, também há uma postagem exaltando a ditadura do general Augusto Pinochet (1973-1990), no Chile, que deixou mais de 3 mil mortos ou desaparecidos, torturou milhares de prisioneiros e forçou 200 mil pessoas ao exílio’.

 

Altamiro Borges, é jornalista.

As opiniões aqui expostas não representam necessariamente a opinião do Correio do Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *