Netflix pode perder 4 milhões de assinantes nos Estados Unidos 

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Redes Sociais, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 10 de dezembro de 2019 as 12:52, por: CdB

A Needham and Co se tornou nesta terça-feira a quarta corretora de Wall Street em dois meses a rebaixar recomendação sobre as ações da Netflix.

Por Redação, com Reuters – de Nova York/Bruxelas

A Needham and Co se tornou nesta terça-feira a quarta corretora de Wall Street em dois meses a rebaixar recomendação sobre as ações da Netflix, argumentando que a concorrência de novos serviços de streaming pode levar a empresa a perder 4 milhões de assinantes nos Estados Unidos no próximo ano.

Netflix pode perder 4 milhões de assinantes nos EUA em 2020
Netflix pode perder 4 milhões de assinantes nos EUA em 2020

A analista da Needham, Laura Martin, que rebaixou a recomendação da Netflix para “underperform”, acredita que a empresa terá que adicionar um serviço com preço mais baixo para competir com os concorrentes, como Apple TV +, Disney + e Amazon.

O crescimento da base de assinantes da Netflix superou o de serviços rivais à custa de um enorme investimento em conteúdo regional e internacional em sua plataforma.

O serviço de streaming tinha 60,62 milhões de assinantes pagos nos EUA no último trimestre encerrado em 30 de setembro, representando mais de um terço da sua base global de assinantes.

A abordagem tem o custo de uma pilha crescente de dívidas, que era de US$ 12,43 bilhões em 30 de setembro, provocando preocupações entre os investidores.

Martin argumentou que a forte rejeição da empresa em permitir publicidade em sua plataforma obriga a companhia a manter preços altos, o que resultará em perdas de assinantes em seu mercado mais lucrativo.

– O nível de preço da Netflix de US$ 9 a US$ 16 por mês é insustentável – disse Martin, acrescentando que a perda de programas de TV populares como Friends e The Office para seus concorrentes pode atingir o valor da empresa ao longo do tempo.

Martin é agora a sexta analista a classificar as ações como “sell” ou pior. A maioria das corretoras ainda classifica as ações como ‘buy’ ou superior.

Gigantes da tecnologia

Autoridades de defesa da concorrência da União Europeia estão considerando adotar uma linha mais dura contra as gigantes da tecnologia, forçando-as a fazer mais para garantir condições equitativas de mercado, disse uma importante autoridade da Comissão Europeia nesta terça-feira, uma medida que pode afetar Facebook, Amazon, Apple e Google.

As quatro empresas de tecnologia dos EUA estão atualmente na mira dos agentes de concorrência da UE, com suas rivais reclamando por terem sido excluídas dos principais mercados.

A Comissão tradicionalmente ordena que as empresas interrompam suas práticas anticoncorrenciais.

Isso pode não ser suficiente, especialmente nos mercados digitais, disse Cecilio Madero Villarejo, diretor geral interino da divisão de concorrência da Comissão.

– Nos mercados em rápida evolução, existe o risco de isso levar muito tempo para ser implementado e ser muito difícil de monitorar – disse ele em uma conferência da CRA.

– Portanto, em particular nesses mercados de rápida evolução, podemos desenvolver soluções mais prescritivas e possivelmente restaurativas, a fim de garantir que as condições para uma concorrência efetiva sejam totalmente restauradas – afirmou Madero, sem dar mais detalhes.

Na segunda-feira, a comissária europeia de concorrência, Margrethe Vestager, disse que teria adotado uma linha diferente com o Google, apesar de ter imposto multas de mais de 8 bilhões de euros à empresa após uma investigação que durou uma década.

– Se eu soubesse o que sei agora sobre o Google, teria sido mais ousada – disse Vestager.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *