Não há nível saudável para o consumo de álcool, diz estudo

Arquivado em: Destaque do Dia, Saúde, Últimas Notícias, Vida & Estilo
Publicado segunda-feira, 27 de agosto de 2018 as 10:22, por: CdB

Até mesmo ingestão ocasional de vinho ou cerveja aumenta significativamente os riscos de problemas de saúde, aponta pesquisa. Bebidas alcoólicas são associadas a 2,8 milhões de mortes prematuras por ano

Por Redação, com DW – de Londres

Um estudo sobre o consumo de bebidas alcoólicas abrangendo 195 países aponta que até mesmo pequenas quantidades de vinho ou cerveja ingeridas ocasionalmente podem aumentar o risco de problemas de saúde ou de morte.

Consumo diário de uma “dose padrão” aumenta em 0,5% as chances da ocorrência de problemas de saúde

A pesquisa, divulgada na sexta-feira na revista científica The Lancet, atribui 2,8 milhões de mortes prematuras anuais em todo o mundo ao consumo de de álcool.

– Não há nível seguro para o consumo de álcool – afirmou Max Griswold, pesquisador do Instituto de Métrica e Avaliação da Saúde em Seattle, nos EUA, autor principal de um consórcio de mais de 500 especialistas.

O estudo derruba teorias recentes que afirmam que a ingestão moderada dessas bebidas reduz o risco de doenças cardíacas.

– O efeito protetor do álcool é anulado pelos riscos – diz o cientista. “De modo geral, os riscos à saúde associados ao álcool aumentaram de acordo com a quantidade ingerida a cada dia”, afirma Griswold.

Em comparação com a abstinência, o consumo diário de uma “dose padrão”, 10 gramas de álcool, o que equivale a um copo de vinho, uma dose de bebidas destiladas ou a uma garrafa pequena de cerveja, aumenta em 0,5% as chances da ocorrência de ao menos um entre mais de duas dezenas de problemas de saúde.

A princípio, pode parecer pouca coisa: a cada 100 mil pessoas que não consomem álcool, 914 desenvolvem um dos males relacionados à bebida, como câncer. No caso dos que consomem bebidas alcoólicas uma vez ao dia, 918 pessoas a cada 100 mil podem apresentar problemas de saúde.

– Entretanto, em nível global, o risco adicional de 0,5% entre os consumidores [de álcool uma vez ao dia] corresponde a cerca de 100 mil mortes adicionais por ano – afirma Emmanuela Gakidou, professora da Universidade de Washington e diretora do Instituto de Métrica e Avaliação da Saúde. “São mortes que poderiam ser evitadas.”

Segundo o estudo, os riscos aumentam em curvatura semelhante a uma letra “J”. A média de duas bebidas por dia representa um aumento de 7% na ocorrência de doenças e problemas físicos, em comparação á abstinência. No caso de cinco doses por dia, a probabilidade de consequências graves aumenta para 37%.

As conclusões do estudo reforçam a posição da Organização Mundial de Saúde (OMS) de que “menos é bom, mas zero é melhor”, mas contraria as orientações das autoridades de saúde em muitos países, especialmente desenvolvidos. No Reino Unido, por exemplo, a recomendação é que o consumo não deve exceder 14 doses por semana para que os riscos se mantenham em níveis baixos.

O consumo de álcool foi apontado como o 7º principal fator de risco para mortes prematuras e doenças em 2016, totalizando 2% das mortes entre as mulheres e quase 7% entre os homens.

No entanto, na faixa etária de 15 a 49 anos, o álcool aparece como o fator mais letal, responsável por mais de 12% das mortes entre homens, aponta o estudo divulgado nesta sexta-feira. As principais causas das mortes relacionadas ao consumo de álcool nessa faixa etária são a tuberculose, acidentes de trânsito e suicídio.

Homens

Entre os homens, o consumo de álcool em 2016 foi mais difundido entre os dinamarqueses (97% bebem), seguidos dos noruegueses, argentinos, alemães e poloneses (94%). No caso das mulheres, a liderança também é da Dinamarca (95%), seguida da Noruega (91%), Alemanha e Argentina (90%) e Nova Zelândia (89%).

Os maiores bebedores, porém, se encontram em outros países. Os homens romenos consomem em média oito doses diárias, seguidos dos portugueses, lituanos e ucranianos, com sete unidades por dia.

Entre as mulheres, as ucranianas consomem diariamente uma média de quatro doses, enquanto em Andorra, Luxemburgo, Belarus, Suécia, Dinamarca, Irlanda e Reino Unido a média feminina é de três bebidas.

Os países com maior índice de não bebedores são os de população majoritariamente muçulmana. No Paquistão, por exemplo, apenas 0,8% dos homens consomem álcool.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *