O Apóllo Natali que nós conhecemos – 3

Arquivado em: Arquivo CDB, Boletim, Destaque do Dia, Direto da Redação, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 16 de agosto de 2018 as 08:00, por: CdB

Na véspera de minha partida para o Festival de Locarno, meu colega e colaborador deste Direto da Redação, Apóllo Natali, me contatou por email, pediu indiretamente para publicar um texto enviado há três anos e, logo depois, morreu. Publiquei o texto, porém vou além, vou publicar os textos publicados em sua homenagem no  site Náufrago da Utopia, por seu protegido e grande amigo de trinta anos, o Celso Lungaretti. Ambos, Apóllo e Celso, não parecem ser deste mundo, pela fé com que manifestam suas ideias. Nota do Editor, Rui Martins.

Por Celso Lungaretti, de São Paulo:

Recordando quem era Apóllo Natali

Enquanto o Apollo era vivo, nunca me ocorreu ter de explicar a quem não o conhecia por que, afinal, se tratava de uma pessoa tão diferente, exemplar de uma espécie quase extinta nos tristes tempos presentes.

Fui, infelizmente, obrigado a fazê-lo nos últimos dias. E o que me veio à mente foi a lembrança de uma cena emocionante de Irmão Sol, irmã Lua (d. Franco Zeffirelli, 1972), quando o papa Inocêncio III muda a atitude da Igreja com relação a São Francisco de Assis, acolhendo-o e afirmando: “Em nossa obsessão com o pecado original, às vezes nos esquecemos da inocência original”.
 
Não que se trate de um grande filme, longe disto. Mas é um trecho que impacta. Ademais, o despojamento e a frugalidade franciscana eram características marcantes do Apollo, um kardecista que talvez nem se desse conta disto, pois jamais me disse uma palavra sequer sobre os santos católicos.
 
Outra afinidade: sua visão religiosa era bela e pura, como se constata na crônica em que comparou nosso sistema solar a uma árvore de Natal e se referiu ao Cristo como “pixotinho judeu ora aniversariante”.
 
Foi um dos melhores cronistas que algum dia li. Não fazia má figura como repórter, noticiarista, redator, editorialista e editor, mas nas crônicas se superava. Percebia-se nele um homem que sempre convivera com as pessoas simples, conhecia profundamente a realidade das ruas, mas a tudo observava com olhar compassivo, solidário à dor dos humildes e sempre disposto a ajudá-los no limite de suas forças e recursos.
 
Por suas crônicas desfilam personagens inesquecíveis:
  • o intelectual de rua Cláudio Bongiovani (na foto ao lado), químico formado, que perdeu a  família num acidente automobilístico e passou a vagar sem rumo, até se tornar o personagem exótico que hoje vende revistas de uma entidade de ação social e consegue ter pelo menos um teto modesto para chamar de seu;
  • sua avó materna, que respondia com amor cristão às infidelidades do marido, a ponto de não hostilizar a amante que este ousou um dia trazer para pernoitar em casa (“A minha santa vovó do mato era de outro planeta, embora fosse mulher, mulher, mulher, mulher, meu Deus do céu!  O que outra mulher teria feito no lugar dela? O que todas as outras mulheres fariam no lugar dela?”);
  • o bombardeiro Francisco Romero, que teria deixado de alterar o curso da nossa História ao desarmar a bomba por ele próprio plantada no vagão do trem em que viajaria um ditador, sem que ninguém ficasse sabendo do episódio afora os companheiros de quase-atentado;
  • a Júlia Sapeca , nome que emprestou de uma música da época para renomear a menina inspiradora de sua primeira e frustrada paixão, pois, apesar das mágoas de outrora, continuou sendo cavalheiro pela vida adentro e seria “grosseiro” identificar claramente quem se tornara mãe e avó, com “cabelos branquinhos, branquinhos”, que ele reviu um dia “subindo uma ladeira, bem devagar, se segurando nas paredes”. 
E tantos outros, reais, inventados e até meio a meio, como as crônicas do além em que nos coloca em contato com os espíritos de Tancredo Neves , Getúlio Vargas e Carlos Lacerda .
Celso Lungaretti, jornalista e escritor, foi resistente à ditadura militar ainda secundarista e participou da Vanguarda Popular Revolucionária. Preso e processado, escreveu o livro Náufrago da Utopia (Geração Editorial). Tem um ativo blog com esse mesmo título.

Direto da Redação é um fórum de debates editado pelo jornalista Rui Martins.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *