Olho no Verde: parceria com municípios irá monitorar desmatamento no Rio

Arquivado em: Destaque do Dia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 21 de agosto de 2019 as 12:23, por: CdB

De janeiro a julho deste ano, o programa vistoriou 146 áreas, constatou a supressão de vegetação irregular em 97 áreas e produziu 69 atos administrativos de infração.

Por Redação, com ACS – de Rio de Janeiro

Estabelecer parcerias com as prefeituras para combater o desmatamento ilegal no estado do Rio. Esse é o objetivo do programa Parceiro Olho no Verde, da Secretaria de Estado de Ambiente e Sustentabilidade (Seas).

Para aderir ao programa, os municípios precisarão firmar um acordo de cooperação com a secretaria

Para participar, os municípios precisarão fazer inscrição junto à secretaria estadual. Eles vão receber os alertas expedidos pelo programa Olho no Verde, que utiliza a tecnologia de imageamento por satélite e de processamento de dados espaciais para identificar a supressão ilegal de vegetação.

– Esperamos o engajamento do maior número possível de prefeituras. Quanto mais parceiros tivermos, mais chance teremos de ampliar o monitoramento da cobertura florestal do nosso estado –afirmou a secretária de Estado de Ambiente e Sustentabilidade, Ana Lúcia Santoro.

Como se tornar um parceiro 

Para aderir ao programa, os municípios precisarão firmar um acordo de cooperação com a secretaria, relativo ao monitoramento de florestas. Os municípios também irão participar de capacitação realizada pela pasta estadual.
Outra exigência a ser cumprida pelas prefeituras é participar de, pelo menos, uma vistoria por semestre, no ano de vigência da parceria, além de realizar 90% das vistorias requisitadas.
Em ambos os casos, as ocorrências serão oriundas de alertas emitidos pelo monitoramento do programa Olho no Verde. Todos os resultados obtidos, referentes aos alertas vistoriados, serão submetidos à coordenação do programa.

Sobre o programa Olho no Verde

De janeiro a julho deste ano, o programa vistoriou 146 áreas, constatou a supressão de vegetação irregular em 97 áreas e produziu 69 atos administrativos de infração.

A fiscalização envolve a Secretaria de Estado do Ambiente e Sustentabilidade, por meio da Superintendência Integrada de Combate aos Crimes Ambientais, o Instituto Estadual do Ambiente (Inea), por meio das superintendências regionais, das equipes das unidades de conservação estaduais e da Coordenadoria Geral de Fiscalização do Inea; o Comando de Polícia Ambiental (CPAm) e a Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *