OMS: coronavírus irá se espalhar pela China e possivelmente para outros países

Arquivado em: Destaque do Dia, Saúde, Últimas Notícias, Vida & Estilo
Publicado terça-feira, 21 de janeiro de 2020 as 10:35, por: CdB

Até agora, na China, o vírus estava concentrado principalmente na cidade de Wuhan, embora casos isolados também tenham sido relatados em Xangai e Pequim.

Por Redação, com Reuters – de Genebra/Taipé/Pequim

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse nesta terça-feira que o novo coronavírus descoberto na China provavelmente se espalhará para outras partes do país e possivelmente para outros países nos próximos dias.

Mulher usa máscara de proteção ao caminhar por rua de Pequim
Mulher usa máscara de proteção ao caminhar por rua de Pequim

– Mais casos devem ser esperados em outras partes da China e possivelmente em outros países nos próximos dias – disse Tarik Jasarevic, porta-voz da OMS.

Até agora, na China, o vírus estava concentrado principalmente na cidade de Wuhan, embora casos isolados também tenham sido relatados em Xangai e Pequim.

Taiwan confirma primeiro caso

Taiwan confirmou nesta terça-feira o primeiro caso de infecção pelo novo coronavírus, uma mulher de 50 anos que voltou à ilha depois de trabalhar na cidade chinesa de Wuhan, onde o surto começou.

O Centro de Controle de Doenças de Taiwan disse que a mulher, do sul de Taiwan, retornou à ilha na segunda-feira e foi enviada do aeroporto ao hospital depois de apresentar sintomas como febre e tosse.

O órgão pediu às pessoas que não entrem em pânico, dizendo que a mulher foi identificada assim que chegou a Taiwan.

Taiwan já alertou a China e a Organização Mundial da Saúde sobre o caso, acrescentou o governo.

O surto

O surto de coronavírus se espalhou da cidade de Wuhan, no centro da China, para lugares como Pequim e Xangai. Outros casos também foram relatados fora da China, incluindo Coreia do Sul, Tailândia e Japão.

Taiwan, que tem estreitos vínculos econômicos e pessoais com a China, apesar das tensões políticas entre os dois lados, estabeleceu na segunda-feira um centro de comando de resposta a epidemias para coordenar a resposta da ilha ao vírus.

Taiwan também preparou mais de 1 mil leitos em enfermarias de isolamento, caso o vírus se espalhe ainda mais.

Coreia do Sul

A Coreia do Sul confirmou na segunda-feira o primeiro caso, um chinês de 35 anos que viajou de Wuhan, o quarto paciente registrado fora da China.

Na semana passada, foram relatados dois casos na Tailândia e um no Japão. Todos os três envolveram pessoas de Wuhan ou que visitaram a cidade recentemente.

Um relatório do MRC Center para Análise Global de Doenças Infecciosas do London Imperial College estimou que, em 12 de janeiro, houve 1.723 casos na cidade de Wuhan com o aparecimento de sintomas relacionados. As autoridades de saúde chinesas não comentaram diretamente o relatório.

– Esse surto é extremamente preocupante. Incertezas e lacunas permanecem, mas agora está claro que há transmissão de pessoa para pessoa – disse Farrar.

A Organização Mundial da Saúde informou na segunda-feira que “uma fonte animal” parece ser a principal fonte do surto e que alguma “transmissão limitada de humanos para humanos” ocorreu entre contatos próximos.

Mais tarde a OMS convocou uma reunião de especialistas do Comitê de Emergência na quarta-feira para discutir se o surto de coronavírus na China constitui uma emergência internacional e quais medidas deveriam ser tomadas para administrá-la.

Até o momento, a OMS não recomendou restrições comerciais ou de viagens, mas um painel de especialistas independentes pode fazer isso ou definir outras recomendações para limitar a disseminação.

O Conselho de Estado da China reiterou que o governo intensificará os esforços de prevenção e para encontrar a fonte dos canais de infecção e transmissão o mais rápido possível, disse a televisão estatal na segunda-feira.

Ações de empresas farmacêuticas e fabricantes de máscaras dispararam na China por conta do surto.

“Quem sabe quantas pessoas que estiveram em Wuhan podem não saber que já foram infectadas?”, disse uma pessoa em comentário na rede social chinesa Weibo.

O jornal estatal Global Times disse em um editorial que o governo precisa divulgar todas as informações e não repetir os erros cometidos com a Sars. As autoridades chinesas encobriram o surto de Sars por semanas.

“A ocultação seria um duro golpe para a credibilidade do governo e poderia desencadear maior pânico social”, disse o editorial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *