ONG denuncia mais de 100 mortes em protestos no Irã

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 20 de novembro de 2019 as 14:26, por: CdB

ONG relata uso de munição real contra manifestantes e diz que total de mortos pode ser ainda maior. Presidente e líder supremo dizem que país teve êxito ao lidar com distúrbios provocados por inimigos externos.

Por Redação, com DW – de Teerã

A ONG Anistia Internacional (AI) denunciou nesta quarta-feira que ao menos 106 pessoas morreram nos atuais protestos contra o governo no Irã e alertou que o número de vítimas fatais pode ser ainda maior.

Estopim dos protestos no Irã foi um aumento de mais de 50% no preço da gasolina
Estopim dos protestos no Irã foi um aumento de mais de 50% no preço da gasolina

O governo iraniano não divulgou o número de pessoas presas, feridas ou mortas nos protestos iniciados na última sexta-feira, que se espalharam para mais de 100 cidades pelo país e cujo estopim foi um aumento de mais de 50% no preço da gasolina.

Teerã questionou os números divulgados pela AI, afirmando se tratar de “alegações sem fundamento e dados fabricados”. A ONG, entretanto, disse que se baseia em “relatos confiáveis” e alertou que “o número real de mortos pode ser bem mais alto, com alguns relatos sugerindo que até 200 pessoas tenham sido mortas”.

A Anistia disse que colheu dados de jornalistas e ativistas dos direitos humanos e que verificou as informações com fontes diferentes. “Imagens de vídeo mostram as forças de segurança utilizado armas de fogo, canhões de água e gás lacrimogêneo para dispersar os protestos e agredindo manifestantes com cassetetes”, afirma a AI.

“Imagens de cartuchos de balas deixados pelo chão, além do alto número de mortos, indicam que eles usaram munições reais”, diz a ONG.

A AI menciona testemunhas oculares que corroboraram o que foi visto nas imagens de vídeo e afirma que atiradores de elite posicionados em telhados de edifícios e, em um dos casos, em um helicóptero, abriram fogo contra a multidão. Órgãos oficiais e semioficiais de imprensa contabilizaram apenas seis mortes até o momento.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (Acnur) divulgou um comunicado expressando “profunda preocupação” com os relatos sobre a ação das forças de segurança nos protestos.

– Estamos especialmente alarmados com o uso de munição real contra os manifestantes, o que, supostamente, teria causado um número significativo de mortes pelo país – disse o porta-voz do Acnur, Rupert Colville, em nota.

Campanha

Por sua vez, o porta-voz da missão do Irã na ONU, Alireza Miryousefi, disse que os dados sobre as mortes são “especulativos e não confiáveis, e em muitos casos, parte de uma campanha de desinformação realizada contra o Irã de fora do país”, que ele atribui a “entidades ocidentais tendenciosas”.

As autoridades iranianas bloquearam o acesso à Internet no país de 80 milhões de habitantes, deixando a divulgação das informações nas mãos da imprensa estatal e autoridades do governo.

A televisão estatal mostrou imagens de Alcorões queimados em uma mesquita e manifestações pró-governo, como parte de um esforço para demonizar os protestos e demonstrar apoio por parte da população.

A imprensa estatal, entretanto, não mencionou o aumento da gasolina que gerou as manifestações em todo o país e se tornou mais um fardo pesado para os iranianos. A população sofre as consequências do colapso da moeda nacional, o rial, e do fracasso do acordo nuclear entre o país e potências internacionais (Alemanha, China, EUA, França, Reino Unido, Rússia e União Europeia), após os Estados Unidos decidirem abandonar o tratado e reimpor pesadas sanções econômicas ao Irã.

Protestos

O presidente iraniano, Hassan Rohani, assegurou que o aumento no preço da gasolina teria como objetivo fomentar novos subsídios que deveriam ser concedidos às famílias mais pobres do país. Mesmo assim, a decisão gerou uma onda de revolta em meio à população, no país que possui a quarta maior reserva de petróleo bruto do mundo.

Autoridades iranianas responsabilizam grupos “antirrevolucionários” de fora do país pelos protestos, como os descendentes e apoiadores do antigo xá Reza Pahlavi, deposto pela Revolução Islâmica em 1979, e o grupo opositor Muyahidin Jalq. Os Estados Unidos, Israel e a Arábia Saudita também são acusados de estarem por trás dos distúrbios.

Nesta quarta-feira, Rohani declarou vitória sobre os protestos. “O povo iraniano mais uma vez saiu vitorioso em um teste histórico e demonstrou que não deixa que os inimigos se beneficiem da situação, mesmo que possam ter queixas sobre a administração do país”, disse o presidente em pronunciamento transmitido pela emissora estatal Irib.

O líder supremo do país, o aiatolá Ali Khamenei, disse na terça-feira que os protestos eram uma questão de segurança, e não um movimento popular, e que o governo teve êxito ao lidar com os distúrbios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *