Oposição diz que acompanhará investigação sobre morte de Marielle

Arquivado em: Brasil, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 30 de outubro de 2019 as 15:13, por: CdB

Parlamentares da Rede Sustentabilidade e PT acreditam que porteiro do Condomínio Vivendas da Barra “corre risco de vida”.

Por Redação, com Reuters e Agências de Notícias – de Brasília

A Rede Sustentabilidade pretende pedir que o porteiro do condomínio onde o presidente Jair Bolsonaro mora no Rio de Janeiro seja incluído em um programa de proteção a testemunhas e quer acompanhar as investigações do assassinato da vereadora carioca Marielle Franco, ocorrido em março do ano passado.

O senador Randolfe Rodrigues pede que o porteiro seja incluído em um programa de proteção a testemunhas
O senador Randolfe Rodrigues pede que o porteiro seja incluído em um programa de proteção a testemunhas

O anúncio dessas medidas, feito no Twitter pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), acontece um dia depois de um jornal da rede de televisão conservadora do Rio de Janeiro, Rede Globo, noticiar que o porteiro disse em depoimento que Élcio Queiroz, um dos acusados de envolvimento no assassinato de Marielle, entrou no condomínio alegando que iria à casa de Bolsonaro no mesmo dia do assassinato.

Queiroz, no entanto, teria ido à casa de Ronnie Lessa, outro acusado do assassinato da vereadora e que mora no mesmo condomínio de Bolsonaro. Sua entrada no condomínio teria sido autorizada por uma pessoa que o porteiro identificou como “seu Jair”, de acordo com o depoimento. Registros da Câmara e imagens, no entanto, mostram que Bolsonaro estava no Congresso naquele dia.

“Nós da Rede Sustentabilidade pediremos que o porteiro do condomínio onde Jair Bolsonaro morava seja incluído em algum programa de proteção. O caso Marielle precisa ser elucidado de forma minuciosa garantindo, inclusive, a proteção das testemunhas”, escreveu Randolfe na rede social.

“Iremos propor comissão especial para acompanhar as investigações do caso Marielle. Também pediremos audiência com a ministra relatora do STJ responsável pela federalização do caso e solicitaremos audiência com o PGR para pedir acompanhamento de perto das investigações”, afirmou.

Partidos de oposição a Bolsonaro na Câmara dos Deputados também convocaram uma entrevista coletiva para a tarde desta quarta-feira sobre o caso Marielle.

Em transmissão ao vivo nas redes sociais na madrugada desta quarta em Riad, na Arábia Saudita, onde está em viagem oficial, Bolsonaro, bastante exaltado, o veículo de comunicação, o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), a quem acusou de vazar as investigações para e emissora, e negou qualquer participação no assassinato da vereadora, que era filiada ao PSOL.

Para o líder do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta, alertou que após reportagem na noite de terça-feira o porteiro do Condomínio Vivendas da Barra “corre risco de vida”.

– Esse porteiro corre risco de vida. Não estamos tratando de uma disputa política. Estamos tratando com bandidos, milicianos, assassinos. O vizinho de Bolsonaro (Ronnie Lessa) tinha 117 fuzis em casa. Estamos falando de pessoas já mataram várias pessoas – afirmou Pimenta.

O deputado disse que é preciso que o Supremo Tribunal Federal (STF) aja imediatamente para impedir que Bolsonaro interfira nas investigações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *