Pantanal registra segundo pior outubro em número de focos de incêndios

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 15 de outubro de 2020 as 10:46, por: CdB

Apenas nos primeiros 14 dias de outubro o Pantanal registrou 2.536 focos de incêndio no bioma, segundo pior número para o mês desde 1998, quando dados passaram a ser contabilizados. As informações são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Por Redação, com Sputnik – de Brasília

Apenas nos primeiros 14 dias de outubro o Pantanal registrou 2.536 focos de incêndio no bioma, segundo pior número para o mês desde 1998, quando dados passaram a ser contabilizados.

Em apenas 14 dias Pantanal registra 2º pior outubro em número de focos de incêndios
Em apenas 14 dias Pantanal registra 2º pior outubro em número de focos de incêndios

As informações são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). A tendência é de que outubro de 2020 supere a pior marca já registrada para o mês, que ocorreu em 2002, com 2.761 focos de incêndios no Pantanal.

Em apenas duas semanas o registro de incêndios no bioma superou o total contabilizado em todo o mês de outubro de 2019, que teve 2.430 focos. O ano de 2020 acumula o maior número de queimadas na região.

Em setembro, o Pantanal teve o maior número de incêndios para um mês na história. Além disso, a região teve em 2020 o pior julho e o segundo pior agosto em relação à quantidade de queimadas.

As queimadas no bioma, agravadas pela maior seca em 47 anos, estão causando grande devastação e ameaçam santuários de animais como a onça pintada. Na Amazônia, também tem sido registrados recordes de incêndios e desmatamento.

Teoria do ‘boi bombeiro’

A questão, além de prejuízo em si para os biomas, têm causado problemas internacionais para o Brasil, como ameaças para a concretização do acordo entre o Mercosul e a União Europeia.

Em audiência pública no Senado, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou que as queimadas no Pantanal seriam menos intensas caso houvesse mais gado no bioma, pois os animais comeriam o capim seco e inflamável. A teoria também foi defendida pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *