Parmalat e Líder distribuem leite adulterado com formol, acusa MP

Parte do leite embalado pela Parmalat continha formol, segundo denúncia do MP
Parte do leite embalado pela Parmalat continha formol, segundo denúncia do MP

A Operação Leite Compen$ado 4, deflagrada na manhã deste sábado, descobriu que 299 mil litros de leite adulterado foram distribuídos no Paraná e em São Paulo, embalados com as marcas Parmalat e Líder. A operação começou em fevereiro, quando o Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS) recebeu documentação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) informando que 12 amostras de leite cru, coletadas no posto de resfriamento do Laticínios O Rei do Sul, em Condor (RS), tinham formol. Odir Pedro Zamadei, dono do posto de resfriamento, foi preso.

Parte do leite impróprio foi entregue à LBR, de Tapejara (RS), empresa de laticínios que enviou 100 mil litros de leite para a unidade de Guaratinguetá (SP) e 199 mil litros para a cidade de Lobato (PR). O leite adulterado, enviado para São Paulo, foi embalado com a marca Parmalat, enquanto o que foi para o Paraná foi embalado com a marca Líder. A empresa LBR não informou o lote de produção, mas a data de fabricação é nos dias 13 e 14 de fevereiro.

A operação é organizada pelo MP-RS, em parceria com o Mapa e outras instituições como a Polícia Civil e a Brigada Militar, que cumpriram mandados de busca e apreensão em oito municípios gaúchos, de diferentes regiões do Estado. O promotor de Justiça Mauro Rockenbach, divulgou nota na qual diz ser “inacreditável” que esse tipo de fraude tenha acontecido, depois de apurações do MP-RS para responsabilizar os fraudadores de leite. Ele suspeita que o produto tenha sido enviado para mercados de outros Estados para escapar da fiscalização.

A Operação Leite Compen$ado foi deflagrada, inicialmente, em maio de 2013. Na época, as investigações concluíram que cinco empresas de transporte de leite adicionavam ao produto cru, entregue à indústria, uma substância semelhante à ureia, que tem formol na composição e é considerada cancerígena pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

A empresa LBR, que responde pelas marcas Líder e Parmalat, divulgou nota na qual nega as acusações. A LBR Lácteos Brasil informou ter realizado testes internos e em laboratórios credenciados a qualidade do produto apontado pelo Ministério Público. A empresa comunicou ainda que cumpriu todas as determinações do MP para a retirada dos lotes suspeitos do mercado.

Leia a nota, adiante:

“A LBR Lácteos Brasil SA tomou conhecimento em 25 de fevereiro de 2014 da possível contaminação na matéria-prima de um fornecedor, que fora recolhida pelo Ministério da Agricultura em 10 de fevereiro de 2014 nas dependências deste fornecedor. Assim que tomou conhecimento da possível contaminação na matéria-prima, utilizada na fabricação de seus produtos, decidiu como medida preventiva, mesmo sem ter identificado anormalidades nos sucessivos testes realizados, recolher os lotes de leite UHT do mercado.

Esta matéria-prima foi recebida na unidade de Tapejara (RS) e depois de ser aprovada em todos os testes de qualidade previstos na legislação, foi enviada para processamento nas unidades de Lobato (PR) e Guaratinguetá (SP), que são abastecidas rotineiramente por leite originado no Rio Grande do Sul. Nestas unidades, foi novamente submetida aos testes exigidos pela legislação sem a detecção de qualquer anormalidade e foi utilizada na fabricação de leite UHT, nas 24 horas após o seu recebimento. Todos os produtos expedidos passaram novamente pelos mesmos testes, conforme o procedimento interno da empresa de dupla checagem para a garantia total dos produtos.

Tendo recebido no dia 28 de fevereiro a ordem recolhimento cautelar do leite UHT fabricado em Lobato (PR), a LBR decidiu como medida preventiva, mesmo sem ter identificado anormalidades nos sucessivos testes realizados, recolher do mercado os lotes deste leite UHT, que também foi enviado para a análise oficial do Ministério da Agricultura. E ainda, preventivamente, enviou amostras do mesmo lote ao Laboratório Credenciado do MAPA para análises externas, que atestaram a qualidade do produto, validando todos os testes internos. Estes lotes estavam distribuídos em cidades do estado do Paraná. A coleta das amostras pelo MAPA ocorreu apenas no dia 13 de março.

No caso da fábrica de Guaratinguetá (SP), o Ministério da Agricultura, por solicitação da empresa, recolheu amostras do leite UHT produzido e procedeu a realização de análises em laboratório oficial, análises estas que resultaram negativas para a presença da substância Formaldeído, estando portanto o lote de produtos apto para o consumo, conforme laudo em poder da empresa. Apesar disso, ao receber a ordem de recolhimento cautelar do Ministério da Agricultura no dia 11 de março de 2014, também procedemos ao imediato recolhimento dos produtos encontrados no mercado.

A empresa considera assim, que cumpriu com todos os procedimentos exigidos pela legislação e observou as cautelas aplicáveis ao caso.

A LBR reforça seu compromisso com a qualidade e o respeito com os consumidores. A empresa realiza permanente controle no recebimento de matéria-prima e em todo o processo produtivo, seguindo os mais altos padrões de qualidade, de forma a garantir a integridade dos produtos que disponibiliza aos consumidores de suas marcas”.