Perto do fim, Operação Lava Jato amplia denúncias contra operador tucano de Serra e Alckmin

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 29 de setembro de 2020 as 15:16, por: CdB

Nesta etapa, foram denunciados os ex-diretores de engenharia Mário Rodrigues Júnior e, pela quinta vez na Lava Jato paulista, Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto. Trata-se do operador financeiro das campanhas tucanas de Serra e Alckmin, que cumpre prisão domiciliar desde o início do ano.

Por Redação – de São Paulo

A força-tarefa da Operação Lava Jato paulista ampliou, nesta terça-feira, as denúncias contra ex-diretores da estatal paulista de rodovias (Dersa) sob acusação de lavagem de dinheiro de propina. Os valores, segundo o Ministério Público Federal (MPF), foram pagos para favorecer empreiteiras em obras tocadas nas gestões dos ex-governadores tucanos José Serra e Geraldo Alckmin.

Paulo Preto, mais uma vez, foi solto por ordem de Gilmar Mendes
Paulo Preto, mais uma vez, foi preso por envolvimento com a corrupção no PSDB

Nesta etapa, foram denunciados os ex-diretores de engenharia Mário Rodrigues Júnior e, pela quinta vez na Lava Jato paulista, Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto. Trata-se do operador financeiro das campanhas tucanas de Serra e Alckmin, que cumpre prisão domiciliar desde o início do ano.

Propina

A acusação do MPF indica suspeita de ocultação de recursos ilícitos pagos pela Galvão Engenharia para fazer parte do cartel de construtoras que atuou em obras como o Rodoanel Sul e o Sistema Viário Metropolitano de São Paulo. Os valores foram enviados para contas na Suíça e são estimados em US$ 10,8 milhões —mais de R$ 60 milhões, no câmbio desta terça.

Mário Rodrigues Júnior e Paulo Preto, diz a Procuradoria, receberam dinheiro no exterior por meio de empresas registradas em paraísos fiscais. O recebimento da propina teria acontecido entre 2005 e 2009 e os valores foram mantidos fora do Brasil até 2017.

De acordo com o MPF, Cristiano, Mário Rodrigues e Paulo Vieira tinham contas no banco Bordier & Cie, abertas em nome de empresas geridas pela mesma pessoa jurídica. Também foi denunciada a então mulher de Mário Rodrigues, Andrea Bucciarelli Pedrazzoli​, sob acusação de receber parte dos valores transferidos a ele.

Processo

A investigação usa como base delações premiadas de ex-executivos da Galvão Engenharia e da Odebrecht, e também analisou documentos bancários enviados pela Suíça que apontam as movimentações financeiras descritas pelos procuradores.

Procurado pela reportagem do Correio do Brasil, o advogado de Paulo Preto, Alessandro Silvério, recusou-se a comentar o processo e adiantou que somente se manifestará nos autos.

A nova denúncia é movida por quatro membros da força-tarefa da Lava Jato paulista, que pediram desligamento e a partir desta quarta-feira e já não atuam mais na operação. A procuradora Viviane Martinez, que passa a ficar à frente das investigações, no entanto, também assinou as novas denúncias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *