Pesquisadores identificam possível hospedeiro do coronavírus

Arquivado em: Destaque do Dia, Saúde, Últimas Notícias, Vida & Estilo
Publicado sexta-feira, 7 de fevereiro de 2020 as 10:45, por: CdB

O surto do novo coronavírus na China pode ter se espalhado de morcegos para humanos através do tráfego ilegal de pangolins.

Por Redação, com Reuters – de Pequim/Genebra

O surto do novo coronavírus na China pode ter se espalhado de morcegos para humanos através do tráfego ilegal de pangolins, os únicos mamíferos escamosos do mundo, que são apreciados na Ásia para alimentos e medicamentos, disseram pesquisadores chineses.

Homem segura pangolim, um dos animais silvestres mais traficados do mundo e possível vetor de transmissão do novo coronavírus
Homem segura pangolim, um dos animais silvestres mais traficados do mundo e possível vetor de transmissão do novo coronavírus

Embora protegido pelas leis internacionais, o pangolim é um dos mamíferos mais traficados da Ásia, já que sua carne é considerada uma iguaria em países como a China e suas escamas são usadas na medicina tradicional, de acordo com a organização não-governamental World Wildlife Fund. (WWF).

“Esta última descoberta será de grande importância para a prevenção e o controle da origem (do vírus)”, informou a Universidade Agrícola do Sul da China, que liderou a pesquisa, em comunicado em seu site.

Acredita-se que o surto de coronavírus, que já matou 636 pessoas na China continental, tenha começado em um mercado na cidade de Wuhan, na província central de Hubei, que também vendia animais silvestres vivos.

Especialistas em saúde acreditam que a proliferação pode ter se originado em morcegos e depois passado para os seres humanos, possivelmente através de outra espécie.

A sequência do genoma do novo coronavírus separada dos pangolins no estudo foi 99% idêntica à das pessoas infectadas, informou a agência de notícias oficial chinesa Xinhua, acrescentando que a pesquisa descobriu que os pangolins são “o hospedeiro intermediário mais provável”.

Os pangolins

Dirk Pfeiffer, professor de veterinária da Universidade da Cidade de Hong Kong, alertou que o estudo ainda está longe de provar que os pangolins transmitiram o vírus.

“Você só pode tirar conclusões mais definitivas se comparar a prevalência (do coronavírus) entre espécies diferentes com base em amostras representativas, o que essas quase certamente não são”, disse ele.

Mesmo assim, ainda é necessário estabelecer um vínculo com os seres humanos através dos mercados de alimentos, acrescentou Pfeiffer.

Equipamentos de proteção

O mundo está enfrentando uma escassez crônica de trajes, máscaras, luvas e outros equipamentos de proteção para se prevenir contra o surto do novo coronavírus, disse o diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, nesta sexta-feira.

Até o momento, há 31.211 casos confirmados na China e 637 mortes, afirmou ele.

– Nos últimos dois dias, houve menos relatos de contaminação na China, o que é uma boa notícia, mas temos cautela para não confiar muito nisso. Os números podem subir novamente – disse ele ao Conselho Executivo da OMS em Genebra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *