PF deflagra Operação Hipster e prende distribuidor de ecstasy 

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 17 de outubro de 2018 as 11:25, por: CdB

Alguns alvos foram presos e levados para a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde permanecerão à disposição da Justiça.

Por Redação, com ABr – de Brasília/Fortaleza

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta quarta-feira, a partir de Curitiba, a Operação Hipster para prender responsáveis pela produção e distribuição de ecstasy em vários estados do Brasil. Alguns alvos foram presos e levados para a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde permanecerão à disposição da Justiça. Eles poderão ser condenados a mais de 20 anos de prisão.

PF deflagra Operação Hipster e prende distribuidor de ecstasy no país

No total,  25 policiais cumpriram cinco mandados de busca e apreensão e quatro mandados de prisão temporária, Entre os envolvidos há um estudante universitário.

De acordo com a Polícia Federal, a investigação começou com base em informações sobre a compra de uma prensa para a produção de drogas e diversas remessas postais contendo comprimidos de ecstasy numa agência dos Correios em Curitiba.

O DEA, órgão que combate as drogas nos Estados Unidos, apóia as investigações e a operação, segundo a polícia.

Em dois meses, foram identificados o envio de pelo menos 80 envelopes e a movimentação de recursos financeiros na conta corrente do suspeito, que ultrapassou os R$ 500 mil num período de 10 meses.

O nome da operação Hipster é em alusão ao alvo da operação.

Detentos fazem motins em presídios do Ceará

Internos da unidade prisional Professor José Sobreira de Amorim, localizado em Itaitinga, na região metropolitana de Fortaleza, iniciaram um motim na noite de segunda-feira após atearem fogo em colchões. Segundo a Secretaria da Justiça e Cidadania do Ceará (Sejus), as chamas atingiram a área de banho de sol, mas não houve danos nas celas.

O conflito foi contido por agentes penitenciários e por policiais do Batalhão de Choque. Alguns internos ficaram feridos e foram atendidos no próprio local.

Outros casos

Apesar de a Sejus confirmar apenas esse caso, o presidente do Sindicato dos Agentes e Servidores do Sistema Penitenciário do Ceará (Sindasp CE), Valdemiro Barbosa, informou que houve motim também no Centro de Execução Penal e Integração Social Vasco Damasceno Weyne (Cepis). O motivo, segundo ele, seria a decisão da secretaria de suspender as visitas de crianças a condenados por crimes sexuais, expedida ontem à tarde.

Um dos internos do presídio foi acusado de estuprar uma menina de 11 anos durante a visita do último sábado. De acordo com relatos dos agentes penitenciários que trabalham no local, os detentos romperam os portões dos setores onde ficam as celas para buscar o local onde o interno acusado do estupro estaria isolado.

– Uma das causas do que aconteceu [o estupro] é a carência de efetivo – destaca Barbosa. Segundo ele, a Cepis conta com 15 agentes para mais de 2 mil internos. Inaugurada em novembro de 2016, a unidade tem capacidade para 1.016 presos.

Segundo o presidente do Conselho Penitenciário do Ceará (Copen), Cláudio Justa, a menina estava acompanhada da mãe em visita ao pai quando outro interno, que cumpre pena por crime sexual, a abordou e levou para um local afastado onde cometeu o abuso.

Segundo a Sejus, a Lei de Execução Penal garante a visita de filhos e netos de internos. Em nota, a secretaria informou que esses momentos sempre transcorreram normalmente, com as crianças cadastradas no Núcleo de Cadastro de Visitantes e acompanhadas pelos responsáveis legais.

A Delegacia Metropolitana de Itaitinga está a cargo do caso e o interno acusado de cometer o estupro ficará em isolamento até a conclusão das investigações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *