PF devassa gabinete de deputado paraibano, suspeito de corrupção

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado sábado, 21 de dezembro de 2019 as 13:53, por: CdB

Segundo nota da PF, que não cita Santiago nominalmente, a operação realizou 13 mandados de busca e apreensão e 4 de prisão preventiva nas cidades de João Pessoa, Brasília, Uiraúna (PB) e São João do Rio do Peixe (PB).

 

Por Redação – de João Pessoa

 

A Polícia Federal deflagrou, neste sábado, a operação Pés de Barro, que investiga superfaturamento de obras no interior da Paraíba, e realizou operação de busca e apreensão no gabinete do deputado federal Wilson Santiago (PTB-PB), afastado do mandato por decisão do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), no âmbito da mesma operação.

Santiago (PTB-PB) é alvo de investigações sobre desvio de dinheiro público, no interior da Paraíba
Santiago (PTB-PB) é alvo de investigações sobre desvio de dinheiro público, no interior da Paraíba

Segundo nota da PF, que não cita Santiago nominalmente, a operação realizou 13 mandados de busca e apreensão e 4 de prisão preventiva nas cidades de João Pessoa, Brasília, Uiraúna (PB) e São João do Rio do Peixe (PB). Também foram expedidas sete ordens de afastamento das funções públicas.

“As investigações apuram pagamentos de vantagens ilícitas (‘propina’) decorrentes do superfaturamento das obras de construção da ‘Adutora Capivara’, a qual se trata de um sistema adutor que deve se estender do município de São José do Rio do Peixe ao município de Uiraúna, no sertão da Paraíba. As obras contratadas, inicialmente, pelo montante de 24.807.032,95 de reais já teriam permitido, de acordo com as investigações, a distribuição de propinas no valor 1.266.050,67 de reais”, disse a PF em nota.

Delator

“Os investigados deverão responder pelos crimes de peculato, lavagem de dinheiro, fraude licitatória e formação de organização criminosa, cujas penas, somadas, ultrapassam 20 anos de reclusão”, acrescentou a PF, afirmando que a apuração teve como base o acordo de colaboração firmado por um delator.

Em nota, Wilson Santiago afirmou que o delator vinha buscando uma narrativa para incriminá-lo a fim de conseguir um acordo de delação e disse estar à disposição para colaborar com a Justiça.

“Não podemos aceitar que a ação política fique refém dessas práticas. Dessa forma, tomaremos as medidas cabíveis para que a verdade venha à tona, com o esclarecimento das questões objeto da investigação e nossos direitos sejam restabelecidos. Estamos à disposição da Justiça para colaborar em todo o processo”, disse Santiago em nota.

Investigações

O advogado Luís Henrique Machado, que representa Santiago, disse que seu cliente recebeu com “respeito e acatamento” a decisão de Celso de Mello que o afastou do mandato. Disse ainda que o deputado afastado está tranquilo e demonstrará não ter relação com os fatos investigados.

O PTB afirmou, por meio de nota, que acompanhará o andamento das investigações e espera que Wilson Santiago consiga provar sua inocência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *