PF tem mandados de prisão contra suspeitos de tráfico no Rio

Arquivado em: Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 13 de julho de 2018 as 15:12, por: CdB

De acordo com a Polícia Federal, um dos principais líderes da facção criminosa que atua na região foi recentemente transferido de um presídio federal ao sistema penitenciário Fluminense

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro:

Policiais federais cumpriram nesta sexta-feira 27 mandados de prisão temporária e 17 mandados de busca e apreensão contra suspeitos de envolvimento com a venda de drogas e o roubo de cargas no estado do Rio de Janeiro. Os mandados da chamada Operação Caminho Curto foram expedidos pela 1ª Vara Criminal de Itaboraí.

Policiais federais cumpriram nesta sexta-feira 27 mandados de prisão temporária

Cerca de 80 agentes federais cumpriram os mandados no Complexo das Retas (Reta Velha e Reta Nova), que ficam em Itaboraí, na região metropolitana do Rio. A Polícia Federal conta com o apoio do Comando de Operações Especiais da Polícia Militar.

De acordo com a Polícia Federal (PF), um dos principais líderes da facção criminosa que atua na região foi recentemente transferido de um presídio federal ao sistema penitenciário Fluminense e está entre os alvos da operação.

A região do Complexo das Retas tem forte presença do tráfico de drogas e elevado índice de roubo de cargas, em razão da proximidade com importantes rodovias de escoamento de produtos e suprimentos no estado, segundo a PF.

Quadrilha

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Rio (MPRJ) e a Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense fizeram na quinta-feira uma grande operação para desarticular quadrilha de traficantes que se especializou também na prática de sequestro e extorsão. Foram cumpridos 18 mandados de prisão e outros 19 de busca e apreensão.

Onze pessoas foram presas na ação, entre elas, os principais líderes do grupo: Fabrício Silêncio de Oliveira, conhecido como FB; Claudio Neves da Silva Reis, o Tinen; Wendersson do Nascimento Ruela, o Coxinha; Tales Marcos da Silva Gomes, o Loirinho; Gelson Pinheiro da Cruz, o Testão; Luciano de Oliveira Santos; e Froncois de Morais Cabral, o Franklin.

O crime de extorsão qualificada pela restrição da liberdade da vítima ocorria no momento em que vítimas eram atraídas quando o grupo anunciava um veículo em site de vendas pela internet. O interessado combinava se encontrar com o suposto proprietário do veículo para avaliar e negociar a compra.

Segundo o MPRJ, dessa forma, os criminosos sabiam de antemão que as vítimas, por estarem interessadas em comprar um veículo, tinham grande quantia de dinheiro em conta bancária. Enganadas pelo falso anúncio, as vítimas vão ao encontro dos criminosos e são sequestradas. A seguir, são obrigadas a fornecer senhas e outros dados bancários para que os criminosos possam transferir todos os valores em conta.

Acordo

De acordo com o promotor de Justiça do Gaeco Fábio Corrêa, “acreditamos que essa operação de hoje tende a desarticular esse tipo de modalidade criminosa que lesa pessoas de boa fé que, inocentemente, se propõem a fazer um negócio pela internet e se deparam com essa situação macabra”.

Segundo o delegado Daniel Rosa, titular da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense, a quadrilha tinha ramificações, sendo que parte se encarregava do anúncio na internet e outra parte se incumbia do sequestro. Também havia integrantes que se dedicavam a usar os cartões da vítima para fazer compra de produtos que eram vendidos por outra célula criminosa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *