PF faz operação para repressão de pedofilia na Internet

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Polícia, São Paulo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 4 de agosto de 2020 as 11:38, por: CdB

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira a Operação Toca da Onça para reprimir a pedofilia na Internet e o estupro de vulneráveis, depois de ter sido informada pela Interpol sobre a realização de um fórum na deep web (parte da Internet acessada clandestinamente).

Por Redação, com ABr – de São Paulo

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira a Operação Toca da Onça para reprimir a pedofilia na Internet e o estupro de vulneráveis, depois de ter sido informada pela Interpol sobre a realização de um fórum na deep web (parte da Internet acessada clandestinamente) no qual foram publicadas cenas de estupro de duas crianças.

Suspeito detido é parente dos pais das crianças
Suspeito detido é parente dos pais das crianças

Aparentemente as crianças estariam em um bairro da Zona Leste da capital paulista, segundo a PF.

As investigações

De acordo com a PF, o suspeito é um homem brasileiro, de aproximadamente 40 anos de idade, casado, e sem filhos, que teria praticado os atos contra os filhos de uma parente, crianças de três e cinco anos. Até o momento não há suspeita da participação da esposa do detido e nem da mãe das vítimas. As investigações apuram se as fotos eram vendidas ou trocadas na deep web.

“Com o aprofundamento das investigações verificou-se que o abusador se valia da convivência íntima com as crianças para encontrar oportunidades para estuprá-las, filmá-las e divulgar os arquivos em fórum da deep web frequentado por pedófilos”, informou a PF.

O crime de publicação de imagens de pornografia infantil prevê pena de três a seis anos de reclusão, já o de estupro de vulneráveis prevê de oito a 15 anos de prisão.

Fraudes nos Correios

A Polícia Federal (PF) cumpriu nesta terça-feira 12 mandados de busca e apreensão na segunda fase da operação Postal Off, que visa desarticular uma organização criminosa que subfaturava valores para a postagem de cartas comerciais. O esquema conta com a participação de sete funcionários dos Correios e de um empresário titular de agências franqueadas da estatal.

No esquema, cargas eram distribuídas no fluxo postal sem faturamento ou com faturamento muito inferior ao devido, provocando prejuízos à Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, que ajudou nas investigações da PF.

De acordo com a PF, o esquema criminoso causou um prejuízo ao patrimônio público estimado em R$ 94 milhões.

Os mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos nas cidades de São Paulo, Praia Grande e São Vicente, no estado de São Paulo, além do Rio de Janeiro, em residências de investigados e endereços dos Correios.

Também foram expedidos mandados de afastamento de funcionários dos Correios de suas funções e medidas cautelares que determinam aos investigados restrições ao direito de ir e vir, bem como o compromisso de comparecimento a todos os atos do inquérito policial e de eventual processo criminal.

Outro lado

Em nota enviada à Agência Brasil, os Correios afirmam que, com relação aos mandados cumpridos pela Polícia Federal, “estão colaborando ativamente com as autoridades policiais nas investigações da ‘Operação Postal Off 2′. Os Correios reafirmam o seu compromisso com a ética, a integridade e a transparência”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *