Polícia faz operação para prender acusados de integrar grupo da milícia

Arquivado em: Destaque do Dia, Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 18 de julho de 2019 as 12:26, por: CdB

Segundo o MPRJ, essas pessoas atuavam ilegalmente em condomínios do programa Minha Casa, Minha Vida.

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) e a Polícia Civil cumpriram nesta quinta-feira 25 mandados de prisão contra acusados de integrar uma organização criminosa armada na Baixada Fluminense.

Criminosos exploram ilegalmente sinais clandestinos de TV a cabo

Segundo o MPRJ, essas pessoas atuavam ilegalmente em condomínios do programa Minha Casa, Minha Vida.

Entre os alvos da operação, chamada de Hunter (caçador, em português), está um vereador que foi também secretário municipal de Queimados, na Baixada.

De acordo com as denúncias apresentadas à Justiça, o grupo constituiu uma milícia ilegal que atua em três diferentes localidades de Queimados: os condomínios Valdariosa, Ulysses Guimarães e Eldorado.

Ao todo, 34 pessoas foram denunciadas por integrar o grupo – conhecido como Caçadores de Ganso, responsável por explorar ilegalmente sinais clandestinos de TV a cabo, extorsão de moradores e comerciantes e prática de homicídios. Em pelo menos um dos condomínios, o grupo também vendia drogas ilícitas. Dos denunciados, nove já estão presos.

Para o MPRJ, o grupo ainda mantinha uma página em rede social, administrada por alguns dos denunciados, onde anunciava os nomes das próximas vítimas. Os administradores da página já tinham sido presos em 2017.

Celulares são apreendidos em presídio

A Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) do Estado do Rio realizou uma revista geral no Presídio Carlos Tinoco da Fonseca, em Campos dos Goytacazes, e apreendeu 219 aparelhos celulares, 25 relógios, 40 chips; R$ 27 mil em espécie; 10 tabletes, 18 invólucros e 505 sacolés de maconha; 491 sacolés e 460 gramas de cocaína.

Foram encontradas também duas balanças de precisão, 16 baterias sobressalentes, roupas, tênis e chinelos.

Os 250 agentes penitenciários que participaram da Operação Asfixia encontraram, ainda, um plano para fuga em massa de detentos.

Operações

A Secretaria de Administração Penitenciária vem trabalhando para combater irregularidades dentro das unidades prisionais, com destaque para três operações iniciadas este ano: Asfixia, Iscariotes e Bloqueio.

A Operação Asfixia já apreendeu em todo o Estado, de janeiro a maio deste ano, 5.339 celulares. No mesmo período do ano passado, 3.756 aparelhos foram encontrados.

A Operação Bloqueio já prendeu 33 pessoas tentando entrar com drogas e celulares em cadeias do Estado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *