Polônia: governo nacionalista conquista maioria no Parlamento

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 14 de outubro de 2019 as 12:57, por: CdB

O PiS obteve 45,2% dos votos, de acordo com resultados de 83% das seções eleitorais publicados pelo comitê eleitoral nesta segunda-feira.

Por Redação, com Reuters – de Varsóvia

O partido governista polonês Lei e Justiça (PiS) conquistou uma maioria na eleição parlamentar de domingo, garantindo um segundo mandato de quatro anos para continuar as reformas que colocaram o país em rota de colisão com a União Europeia.

Líder do PiS, Jaroslaw Kaczynski, recebe flores após resultado de pesquisa boca de urna de eleição de domingo
Líder do PiS, Jaroslaw Kaczynski, recebe flores após resultado de pesquisa boca de urna de eleição de domingo

O PiS obteve 45,2% dos votos, de acordo com resultados de 83% das seções eleitorais publicados pelo comitê eleitoral nesta segunda-feira. A Coalizão Cívica (KO), que é o maior grupo da oposição e engloba partidos de centro e liberais, veio em segundo com 26,1%.

É provável que a vitória do PiS provoque receios sobre os padrões democráticos no maior ex-país comunista da União Europeia, cujo governo já foi acusado de politizar o Judiciário, converter a mídia estatal em sua porta-voz e polarizar a sociedade.

Um segundo mandato do PiS também pode fortalecer populistas anti-imigração da EU que estão determinados a reverter a agenda liberal do bloco.

O partido retratou a eleição como uma escolha entre uma sociedade centrada em valores católicos tradicionais e uma ordem liberal que promove alguns poucos privilegiados e mina a vida familiar.

Críticos o acusaram de fomentar a homofobia durante a eleição, já que dirigentes do PiS classificaram os direitos de gays, bissexuais e transgêneros (LGBT) como uma influência externa invasiva que ameaça a identidade nacional polonesa.

– Salvamos a Polônia… é hora de completar a descomunização. É hora de deter a doutrina LGBT! – tuitou o vice-ministro de Digitalização, Andrzej Andruszkiewicz, visto como próximo de políticos de extrema-direita.

A aliança de esquerda

A aliança de esquerda A Esquerda recebeu 12,1% dos votos, enquanto o bloco da legenda agrária PSL e do antissistema Kukiz’15 ficou com 8,8% das urnas. A Confederação de extrema-direita provavelmente também ultrapassou a cota mínima e conseguiu entrar no Parlamento, já que os resultados parciais lhe atribuem 6,7% dos votos.

– A coisa mais importante é que alcançamos nossa meta, desde os primórdios nosso plano era obter a maioria – disse o vice-primeiro-ministro, Jacek Sasin, à emissora privada TVN24 nesta segunda-feira.

Segundo cálculos da agência inglesa de notícias Reuters, o PiS conseguiu 238 dos 460 assentos da câmara baixa, Sejm, mas este resultado está sujeito a mudanças dependendo do desempenho de outros partidos

Os títulos em euro do governo polonês subiram nesta segunda-feira após a divulgação dos resultados, e a bolsa de Varsóvia começou o dia com um recuo de 0.4%.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *