Portugal: motoristas de caminhões-tanque dizem que suspenderão greve para negociar

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 16 de agosto de 2019 as 13:30, por: CdB

Anteriormente, a entidade patronal Antram rejeitou a oferta do sindicato de negociar salários e condições de trabalho melhores, a menos que a greve fosse suspensa ou cancelada.

Por Redação, com Reuters – de Lisboa/Varsóvia 

Os motoristas de caminhões-tanque de Portugal suspenderão uma greve de cinco dias que provocou racionamento de combustível no país e negociarão com seus empregadores em conversas mediadas pelo governo, comunicou seu sindicato nesta sexta-feira.

Motoristas de caminhões-tanque de Portugal dizem que suspenderão greve para negociar

Anteriormente, a entidade patronal Antram rejeitou a oferta do sindicato de negociar salários e condições de trabalho melhores, a menos que a greve fosse suspensa ou cancelada.

“O sindicato entende que agora existem condições para todas as partes se sentarem à mesa de negociação”, disse o sindicato SNMMP em um comunicado.

Suspensão temporária

“Anunciamos a suspensão temporária da greve a partir do momento em que a reunião, a ser convocada pelo governo, começar” e até a reunião plenária do sindicato, no domingo, acrescentou.

Autoridades do governo e a Antram não comentaram de imediato.

Os caminhoneiros começaram uma greve por tempo indeterminado na segunda-feira, a segunda do ano, em abril a categoria realizou uma ação semelhante e igualmente prejudicial.

Polônia

A Polônia está cogitando apoiar uma missão liderada pelos Estados Unidos para proteger o Estreito de Ormuz, mas ainda não tomou uma decisão formal.

“Do nosso ponto de vista, ações para estabilizar a região seriam justificadas”, disse uma porta-voz do Ministério das Relações Exteriores polonês à agência inglesa de notícias Reuters em um comunicado.

“Temos que esperar para determinar se, e então de que forma, a Polônia poderia se unir a tal iniciativa”, acrescentou.

Não está claro quando a Polônia, que tem buscado fortalecer os laços com os EUA desde que o partido Lei e Justiça (PiS, na sigla em polonês) chegou ao poder em 2015, tomará uma decisão sobre o assunto.

O chanceler polonês, Jacek Czaputowicz, comentou a questão primeiramente com a agência de notícias alemã DPA nesta sexta-feira.

Já o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, reiterou que seu país não participará de uma missão naval liderada pelos EUA no Estreito de Ormuz, preferindo formar uma missão europeia.

Na quarta-feira, a chanceler alemã, Angela Merkel, disse acreditar que a ideia de uma missão naval europeia no Estreito de Ormuz será debatida novamente em reuniões informais de ministros europeus das Relações Exteriores e da Defesa na Finlândia no final deste mês.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *