Pressionado, Bolsonaro revoga decreto sobre o porte de armas

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 25 de junho de 2019 as 17:33, por: CdB

O Palácio do Planalto negociava esta alternativa com o Congresso, na tentativa de evitar mais uma derrota.. Na véspera, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que a Câmara, certamente, rejeitaria os decretos, agora revogados.

 

Por Redação – de Brasília

 

Pressionado após duas derrotas no Poder Legislativo, o presidente Jair Bolsonaro revogou, nesta terça-feira, os decretos que flexibilizavam as regras sobre o direito ao porte de armas e munições, em todo o território nacional. A medida legal foi publicada em edição extraordinária do Diário Oficial da União.

Rodrigo Maia
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), não tem poupado o presidente Bolsonaro (PSL)

Porta-voz da Presidência da República, o general Otávio Rêgo Barros disse, mais cedo, que o governo não colocaria “nenhum empecilho para que a votação ocorra” na Câmara.

— O presidente já enfatizou que não irá interferir nas questões do Congresso. Entretanto, o governo tem buscado diálogo e consenso para a aprovação das medidas que atendam às aspirações da maioria dos cidadãos brasileiros — disse, antes da revogação.

O Palácio do Planalto negociava esta alternativa com o Congresso, na tentativa de evitar mais uma derrota.. Na véspera, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que a Câmara, certamente, rejeitaria os decretos, agora revogados.

Grosso calibre

Segundo Maia, segue adiante a articulação para que pontos do texto fossem apresentados em projetos de lei. Entre eles, aquele em que o decreto previa a autorização de categorias profissionais elegíveis ao porte armas, como políticos com mandato e jornalistas da cobertura policial.

Adolescentes, segundo o decreto revogado, não precisariam mais de autorização judicial para praticar tiro; e a quantidade de munição que pode ser comprada chegava à casa dos milhares. Armas de calibre e potência elevados deixariam de ser de uso restrito das forças de segurança, como a .40 e a 9 mm — na prática, somente armas de calibre utilizado para caçar animais de grande porte ficam fora do alcance do público em geral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *