Professores, estudantes e trabalhadores apoiam greve geral contra Bolsonaro

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado sábado, 4 de maio de 2019 as 16:01, por: CdB

Para além da suspensão de verba anunciada por Arnaldo Barbosa Lima Júnior, secretário de Educação da pasta, de acordo com as categorias, o governo de Jair Bolsonaro (PSL) promove uma perseguição ideológica contra disciplinas das ciências humanas.

 

Por Redação, com RBA – de São Paulo

 

Em protesto contra o corte de 30% no orçamento de 2019 para todas as universidades e institutos federais de ensino do país realizado esta semana pelo Ministério da Educação (MEC), entidades de professores, trabalhadores e estudantes organizam uma greve geral para o próximo dia 15 de maio.

Grevistas contarão com o apoio dos trabalhadores do setor metroviário

Para além da suspensão de verba anunciada por Arnaldo Barbosa Lima Júnior, secretário de Educação da pasta, de acordo com as categorias, o governo de Jair Bolsonaro (PSL) promove uma perseguição ideológica contra disciplinas das ciências humanas que fomentam a elaboração de senso crítico dentro das escolas e universidades.

Segundo Eblin Joseph Farage, secretária-geral do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes), a paralisação é uma tentativa de impedir que o desmonte do Estado promovido pelo capitão reformado avance definitivamente sobre o ensino público brasileiro.

— Estamos com uma grande expectativa de que o dia 15 seja um grande dia unificado de todos os setores da educação, algo que não conseguimos há algum tempo nesse país. Essa é a única possibilidade que temos de vencer e fazer frente a esses ataques que o governo tem feito — afirma.

Ensino

Eblin complementa que as entidades do setor de educação também estão se preparando para a greve geral contra a reforma da Previdência, convocada para 14 de junho, e ressalta que os professores – e principalmente as professoras – estão entre os mais prejudicados pela proposta de Paulo Guedes, ministro da Economia.

— O nosso esforço é para que seja um dia nacional de greve na educação em todos os níveis, do ensino fundamental ao ensino superior, e que de fato essa mobilização sirva como um esquenta para o dia 14 de junho, que é para quando está proposta a construção da greve geral — acrescenta.

Profissionais do programa Mais Médicos, que atuam em Unidades Básicas de Saúde (UBSs) na cidade de São Paulo, também vão paralisar os atendimentos na próxima quarta-feira (8). Os médicos pedem um posicionamento da prefeitura em relação à renovação de cerca de 50 contratos.

Estratégia

Em carta aberta à população, os profissionais afirmam que, até o momento, a administração municipal não deu “nenhuma resposta concreta”.

Eline Ethel é uma das trabalhadoras do programa. Segundo a médica, “a prefeitura não está demonstrando interesse em renovar os contratos. Isso gera muita angústia principalmente nos pacientes”. Segundo ela, os médicos que participam do programa realizam 8 mil atendimentos por mês em São Paulo.

— No dia 8 de maio vamos fazer uma paralisação para pedir uma resposta para podermos falar com nossos pacientes — explica. Os profissionais atuam na atenção básica e na estratégia de atendimento à família.

Paralisação

De acordo com o Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp), a não renovação dos profissionais pode piorar o atendimento na cidade, tendo em vista que “o quadro de profissionais já é deficitário na Atenção Primária à Saúde (APS)”. A entidade destaca ainda que “a população não pode arcar com o ônus de não ter esses profissionais. Caso os contratos não sejam renovados, os moradores das periferias serão os mais prejudicados”.

A paralisação dos profissionais do programa Mais Médicos será realizada na próxima quarta-feira, dia 8 de maio, quando ocorrerá um ato em frente à Secretaria da Saúde, às 9h.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *