Promotora do MP-RJ é bolsonarista militante

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 31 de outubro de 2019 as 13:43, por: CdB

Carmen Carvalho publicada em seu perfil em uma rede social fotos vestindo blusas de apoio a Jair Bolsonaro e fotos com políticos como o deputado que quebrou placa com o nome de Marielle Franco em 2018.

Por Redação – do Rio de Janeiro

Uma das promotoras do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-Rj) que está à frente das investigações sobre a execução da vereadora Marielle Franco e do motorista Aderson Gomes, Carmen Carvalho, faz parte do grupo bolsonarista que milita em nome o presidente Jair Bolsonaro nas redes sociais.

Carmen (terceira da esquerda para direita) também publica postagens com políticos neofascistas, como o deputado Rodrigo Amorim (PSL-RJ),famoso por ter quebrado a placa de Marielle Franco em manifestação
Carmen (terceira da esquerda para direita) também publica postagens com políticos neofascistas, como o deputado Rodrigo Amorim (PSL-RJ),famoso por ter quebrado a placa de Marielle Franco em manifestação

A agência de notícias The Intercept Brasil mostra que além de Bolsonaro, Carmen também publica postagens com políticos neofascistas, como o deputado Rodrigo Amorim (PSL-RJ),famoso por ter quebrado a placa de rua com o nome de Marielle em manifestação no ano passado.

Nas redes sociais, a promotora deixa clara a sua preferência ideológica ao usar hashtags como agressivas e conservadoras. Ainda de acordo com a agência de notícias The Intercept Brasil, Carmen chegou a escrever que o país vivia em um “cativeiro esquerdopata” até a eleição de Jair Bolsonaro.

Publicação da promotora do MP-RJ em uma rede social
Publicação da promotora do MP-RJ em uma rede social

Na quarta-feira, ao lado das promotoras Letícia Emili Alqueres Petriz e Simone Sibílio, Carmen Eliza Bastos de Carvalho disse que o porteiro que envolveu o nome do presidente Jair Bolsonaro nas investigações da morte da vereadora Marielle Franco mentiu em seu depoimento à Polícia Civil.

Em entrevista a jornalistas, Sibilio informou que a investigação teve acesso a documentos da portaria do condomínio Vivendas da Barra, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, onde o presidente tem uma casa, bem como às gravações das ligações feitas pelo interfone da portaria. Segundo ela, essas provas técnicas não batem com as declarações feitas pelo porteiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *