Psicoestimulantes podem ajudar no tratamento da dependência à cocaína

Arquivado em: Destaque do Dia, Saúde, Últimas Notícias, Vida & Estilo
Publicado sábado, 25 de julho de 2020 as 12:41, por: CdB

Anfetaminas de prescrição, como a dexanfetamina e os sais mistos de anfetaminas, são substâncias que oferecem melhor retorno no tratamento de pacientes com dependência de cocaína. A descoberta consta de uma análise assinada por pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo.

Por Redação, com ABr – de São Paulo

Anfetaminas de prescrição, como a dexanfetamina e os sais mistos de anfetaminas, são substâncias que oferecem melhor retorno no tratamento de pacientes com dependência de cocaína. A descoberta consta de uma análise assinada por pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), da Universidade de Columbia e do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) e foi publicada na revista científica Psychopharmacology

Substâncias como anfetaminas oferecem melhor retorno no tratamento
Substâncias como anfetaminas oferecem melhor retorno no tratamento

A equipe de cientistas avaliou resultados obtidos através de 38 ensaios clínicos, que abrangeram os efeitos do tratamento de 2.889 dependentes químicos. Desse total, 26 estudos abordavam, especificamente, cuidados voltados a pacientes com dependência em cocaína. A indicação de psicoestimulantes que imitam os efeitos farmacológicos da cocaína vem sendo cogitada desde que se notou sua aplicabilidade em tratamentos para dependentes de opioides e nicotina.

Pacientes

Na análise, foram considerados psicoestimulantes de ação mais intensa, como o metilfenidato e o modafinil, além das anfetaminas. Foram observados, ainda, outros fatores da equação, como modos de manter os períodos de abstinência, isto é, quando os pacientes deixam de consumir a droga, a administração de doses elevadas dos medicamentos testados no tratamento e formulações de liberação prolongada.

O que se percebeu é que os pacientes tratados com anfetaminas prescritas tiveram quase duas vezes e meia mais chances de ficar três semanas em abstinência. A eficácia também aumentou à medida que as doses eram ampliadas, fato explicado em razão das alterações cerebrais provocadas pelo uso constante da cocaína.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *