Quatro anos para a primeira Copa do Mundo em território árabe

Arquivado em: Destaque do Dia, Esportes, Futebol, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 23 de novembro de 2018 as 11:45, por: CdB

Em 1.461 dias será dado o pontapé inicial da Copa do Mundo de 2022, um torneio repleto de ineditismos e polêmicas. Isolado por países vizinhos, Qatar sediará o Mundial mais caro da história.

Por Redação, com DW – de Zurique

Enquanto o Brasil vibra com a reta final do Campeonato Brasileiro e vislumbra a chegada das festividades de fim de ano, os preparativos para o maior torneio de futebol do mundo estão a todo vapor na península desértica do Qatar.

O Estádio Internacional Khalifa, localizado ao oeste de Doha, é o único estádio já pronto para a Copa do Mundo de 2022

Em exatamente quatro anos será dado, em Doha, a capital, o pontapé inicial para aquela que é chamada na Europa de a “Copa do Mundo no Inverno”, o primeiro Mundial a ser disputado no fim do ano, quando a estação fria reina no Hemisfério Norte.

Até o início do Mundial, o Qatar ainda tem tempo de sobra para terminar os trabalhos nos estádios e construir uma infraestrutura adequada para receber centenas de milhares de torcedores. Desafio bem maior será montar uma seleção competitiva.

A Copa dos caminhos curtos

A partida de abertura da 22ª edição da Copa do Mundo da Fifa será disputada em 21 de novembro de 2022 no Estádio Iconic Lusail, a 23 quilômetros ao norte de Doha. A arena, cuja inauguração está projetada para o primeiro semestre de 2019, terá capacidade para 86.250 espectadores.

De acordo com estimativas otimistas, 1,5 milhão de torcedores de todo o mundo são esperados no Qatar para a Copa do Mundo, um aumento populacional momentâneo significativo para a península de apenas 11,6 mil quilômetros quadrados no Golfo Pérsico e onde moram aproximadamente 2,7 milhões de pessoas.

Esse afluxo de visitantes ficará concentrado especialmente em Doha, afinal de contas, das oito arenas para o torneio, quatro estão na capital do Qatar, e as outras quatro, em cidades periféricas.

Todos os estádios estarão conectados a um sistema ferroviário metropolitano, cujo núcleo faz parte do metrô de Doha. A estimativas é de que 60% dos visitantes viajem nesses trens para os estádios: a maior distância, entre o Estádio Al Bayt, ao norte de Doha, e o Estádio Al Wakrah, ao sul – é de 55 quilômetros em linha área.

Os custos para erguer os estádios ou reformar as arenas já existentes estão estimados entre US$ 2,87 bilhões e US$ 4 bilhões . O investimento total para sediar a Copa do Mundo ainda é muito especulativo, com estimativas que variam de US$ 50 bilhões a até US$ 220 bilhões, o Qatar se dispôs a construir uma cidade inteira do zero para a Copa, justamente Lusail. Para efeito de comparação: o Mundial de 2014 custou aproximadamente R$ 40 bilhões.

Acusações de corrupção e conflito no Golfo

Persistente é a acusação de corrupção na escolha dupla dos países organizadores das Copas de 2018 e 2022, em dezembro de 2008. Na época, houve questionamentos sobre os motivos de atribuição de um Mundial a um país como o Qatar, que não tem tradição no futebol e apresenta condições climáticas desafiadoras para a prática do esporte, e mesmo para simplesmente assistir aos jogos.

Também surgiram, e não param de surgir, críticas das organizações de direitos humanos sobre condições de trabalho e hospedagem degradantes dos numerosos trabalhadores estrangeiros nos canteiros de obras da Copa do Mundo.

A tudo isso soma-se a situação politicamente explosiva na região do Golfo Pérsico. Desde 2017, o Qatar é alvo de um bloqueio por seus vizinhos Arábia Saudita, Egito, Bahrein e Emirados Árabes Unidos, que acusam o Qatar de apoiar o terrorismo na região.

Recentemente, o chefe do comitê de organização da Copa do Mundo no Qatar, Hassan al-Thawadi, anunciou de forma surpreendente que algumas seleções poderiam ser alojadas, durante o torneio, no Irã, um dos Estados-chave no conflito no Oriente Médio.

Afinal, 32 ou 48 seleções?

A Copa do Mundo de 2022 deverá ser a última com 32 seleções participantes. O Mundial seguinte, organizado em conjunto por Estados Unidos, Canadá e México, será o primeiro com 48 equipes. Mas o presidente da Fifa, Gianni Infantino, deixou repetidamente claro que gostaria de ver uma Copa do Mundo com 48 seleções já em 2022.

– Nossos preparativos estão em andamento para 32 seleções, e todos os planejamentos são baseados nisso – disse Thawadi, que, no entanto, confirmou que o aumento de participantes será debatido. Como único organizador do torneio de 2022, o Qatar provavelmente ficaria sobrecarregado com um torneio com 48 seleções participantes.

Vitória contra Suíça, empate com Islândia

No atual ranking mundial da Fifa, divulgado em 25 de outubro, a seleção do Qatar ocupa a 96ª colocação, logo atrás das Ilhas Faroé e à frente de Índia e Estônia.

No entanto, a seleção do Qatar alcançou recentemente uma pequena façanha: contra a Suíça, que atuou com vários reservas, ainda que com alguns nomes de qualidade, como Granit Xhaka, Dennis Zakaria e Fabian Schär, o próximo anfitrião da Copa venceu por 1 a 0. Em tom de galhofa, a imprensa suíça chamou a derrota de “catástrofe”.

Em seguida, a seleção do Qatar conseguiu um empate em 2 a 2 contra a Islândia, outro participante do Mundial de 2018. Os bons resultados nesses amistosos estão alimentando a esperança dos qatarianos de que sua seleção consiga alcançar um nível razoável de competitividade nos próximos anos.

Primeira Copa em território árabe

A Copa do Mundo no emirado do Qatar será marcada de fatos inéditos em diversos aspectos. Pela primeira vez a Copa será disputada num país muçulmano e em solo árabe. Além disso, o Mundial jamais foi disputado no final do ano, portanto, no meio da temporada europeia. Desta vez não será o Brasileirão a ser interrompido para a disputa da Copa, mas todas as grandes ligas europeias.

Os responsáveis pelo calendário das competições europeias terão um desafio pela frente. A temporada anterior ao ano da Copa provavelmente terminará mais cedo, enquanto a pausa nas competições em novembro e dezembro de 2022 levará a férias mais curtas no verão europeu de 2023.

Os torcedores europeus que ficarem em casa também terão de se adaptar drasticamente – em vez de protetor solar e cerveja gelada, as exibições dos jogos em telões e bares deverão ser acompanhadas sob aquecedores e regadas a vinho. Ao menos os vendedores de quentão nos mercados natalinos alemães podem se preparar para um belo lucro daqui a quatro anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *