Redes sociais para quê?

Arquivado em: Opinião, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 17 de janeiro de 2020 as 09:18, por: CdB

Tudo bem que as redes sociais não são nem serão jamais o paraíso democrático que muitos acreditavam viessem a ser. Mas servem como bom meio de comunicação entre as pessoas, apesar de todas as imposições restritivas via algoritmos.

Por Luciano Siqueira – de Brasília

Eu as uso com bom proveito, embora tendo que fazer algumas concessões.

Instagram, por exemplo, eu adotei como forma de divulgar minhas modestas fotos de paisagens e cenas urbanas e me deleitar com imagens produzidas por muitos dos melhores fotógrafos do mundo.

Tudo bem que as redes sociais não são nem serão jamais o paraíso democrático
Tudo bem que as redes sociais não são nem serão jamais o paraíso democrático

Fotos de natureza estritamente pessoal evitei o máximo que pude. Mas tive que ceder, pois meus seguidores desejam saber algo sobre o que ando fazendo e com quem estou neste ou naquele evento ou simplesmente durante a minha rotina diária de trabalho na prefeitura ou no PCdoB. É muito frequente, ao final de uma audiência ou por ocasião de um ato público, alguém me solicitar uma foto e sugerir delicadamente que a publique.

Nada comprometedor e até prazeroso, pois expressa atenção e amizade.

Facebook, que muitos dizem viver uma fase de relativa decadência, eu também frequento com perfil e página. No perfil em geral registro fatos e opiniões imediatas; e na página, artigos e vídeos e fotos que suponho possam despertar o interesse dos seguidores por um lapso de tempo mais dilatado.

No Twitter, registro opiniões em cima dos fatos e ponho links para o meu blog e para o meu canal no YouTube, ‘Luciano Siqueira opina’.

Nada profissional, tudo com considerável grau de improvisação, que termina virando uma mescla de trabalho político e diversão.

Se leio algo que imagino possa interessar a mais gente, transcrevo o texto ou ponho em meu blog um pequeno trecho, seguido do link correspondente.

O amadorismo também se reflete na ausência completa de qualquer indicador de desempenho, tanto para minhas contas no Instagram, Twitter e Facebook, como para minhas colunas semanais no Portal Vermelho, publicada às quintas feiras e no Blog de Jamildo , do Sistema Jornal do Commércio de Comunicação, onde escrevo toda quarta-feira, e mesmo para o meu modesto blog.

Comunicação digital

Ou seja, não disponho de dados estatísticos, embora “a olho nu“ possa registrar, através da comunicação digital, considerável ampliação das minhas relações pessoais e militantes.

Dizem que as redes artificializam o contato e distanciam as pessoas, mas no meu caso dá-se o contrário: pelas redes tenho ampliado incessantemente o diálogo “presencial”, olhos nos olhos. É assim, por exemplo, através do WhatsApp, onde alimento um bom número de listas de transmissão e participo (com limitação) de alguns grupos.

Com um detalhe: minha comunicação é direta, pessoal e intransferível. Amizade não se terceiriza.

Dá trabalho? De certo modo, sim. Muito. Mas além de prazeroso, permite produtivo diálogo com muita gente.

Luciano Siqueira, é Médico, vice-prefeito do Recife, membro do Comitê Central do PCdoB

As opiniões aqui expostas não representam necessariamente a opinião do Correio do Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *