Retração da economia vai bater os 10%, prevê o Ministério da Economia

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 18 de agosto de 2020 as 15:41, por: CdB

No primeiro trimestre de 2020, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, soma de todos os bens e serviços produzidos no país, registrou queda de 1,5%, em comparação aos três meses anteriores.

Por Redação, com ABr – Brasília

A economia brasileira deve apresentar retração entre 8% e 10% no segundo trimestre deste ano, comparado ao período anterior. A projeção é da Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia (SPE), que divulgou nesta terça-feira nota informativa sobre os impactos fiscais das medidas de combate à pandemia de covid-19 no país.

Secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, o economista Adolfo Sachsida está otimista quanto ao PIB deste ano
Secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, o economista Adolfo Sachsida já admite tombo no PIB deste ano

No primeiro trimestre de 2020, o Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, registrou queda de 1,5%, em comparação aos três meses anteriores. “A evolução do PIB no primeiro semestre de 2020 reflete a crise causada pela interrupção do comércio e das atividades normais da sociedade”, disse a secretaria, em nota.

Estimativa

No primeiro trimestre, muitas das grandes economias registraram quedas expressivas do produto trimestral, mas inferiores a 10%. No segundo trimestre, as quedas foram ainda mais impactantes, com muitos países registrando valores acima de 10%. O PIB brasileiro teve queda de 1,5% nos primeiros três meses de 2020 e projeta-se contração em torno de 8% a 10% no segundo trimestre, em comparação ao trimestre imediatamente anterior”, diz a SPE. Para todo o ano de 2020, a estimativa é de queda de 4,7% do PIB.

Se a queda do PIB por dois trimestres consecutivos se confirmar, o país entrará em recessão técnica. O resultado do PIB no segundo trimestre será divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no dia 1º de setembro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *