Risco-país argentino sobe para 2.363 após corte da S&P

Arquivado em: Negócios, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 30 de agosto de 2019 as 13:43, por: CdB

O índice de risco de países emergentes, realizado pelo JP Morgan, avançava 91 unidades a 2.363 pontos base, seu nível mais alto desde 2005.

Por Redação, com Reuters – de Buenos Aires

O risco-país da Argentina 11EMJ aumentava novamente nesta sexta-feira em resposta ao corte da classificação de crédito de longo prazo da Standard & Poor’s depois que o país decidiu estender seus vencimentos da dívida.

O índice de risco de países emergentes, realizado pelo JP Morgan, avançava 91 unidades a 2.363 pontos base
O índice de risco de países emergentes, realizado pelo JP Morgan, avançava 91 unidades a 2.363 pontos base

O índice de risco de países emergentes, realizado pelo JP Morgan, avançava 91 unidades a 2.363 pontos base, seu nível mais alto desde 2005.

A S&P disse na quinta-feira que a decisão da Argentina de estender “unilateralmente” os vencimentos de sua dívida constitui inadimplência, e alertou que o rating de crédito do país, que está passando por uma crise grave, está agora em “breve default”.

O corte no rating de crédito da S&P desencadeou mecanismos automáticos de vendas em alguns dos gigantes fundos de pensão da Alemanha. De acordo com a IHS Markit, o custo de garantir a exposição à dívida do país sul-americano subiu para 4.965 pontos-base no mercado de credit default swaps (CDS) de cinco anos.

No início desta semana, o risco-país argentino subia 48 pontos-base para 2.037, seu nível mais alto em 14 anos, segundo índice de países emergentes do JP Morgan.

As preocupações com a capacidade da Argentina de cumprir suas obrigações da dívida em dólares aumentaram desde que a moeda local foi atigida pela incerteza política, após as eleições primárias de 11 de agosto. O peso perdeu 19,5% de seu valor em relação ao dólar desde 12 de agosto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *