Rumo certo na ação unitária

Arquivado em: Opinião, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 15 de julho de 2019 as 09:53, por: CdB

A batalha em defesa da aposentadoria foi perdida no Congresso Nacional quando enfrentou três adversários fortes: o rentismo (e sua caixa de ressonância na mídia), o bolsonarismo (e sua ideologia conservadora e neoliberal) e Rodrigo Maia que comandou habilmente suas hostes congressuais com ajuda de emendas aos parlamentares pelo governo (impagáveis).

Por João Guilherme Vargas Netto – de São Paulo

Isto porque a correlação de forças sociais estabelecida durante as eleições ainda não se modificou radicalmente, embora comece a manifestar sintomas de alteração (conforme as últimas pesquisas).

A batalha em defesa da aposentadoria foi perdida no Congresso Nacional

A resistência

A resistência à deforma muito bem exercida pela oposição conseguiu fazer que o bloco majoritário, o centrão, desfigurasse a proposta original de Guedes e Cia. derrubando a capitalização, a desconstitucionalização e inúmeras agressões aos trabalhadores pobres.

Na análise posterior à derrota não se podem cometer dois erros: o de afirmar que a oposição não apresentou proposta alternativa (o que não é fato porque a alternativa era reprovar a deforma) e o de execrar como culpados os deputados de oposição que aprovaram a deforma (uma minoria que não alteraria o resultado final).

O povo brasileiro, principalmente os pobres brasileiros não compreenderam o alcance negativo da deforma contra eles e foram convencidos (ou pelo menos confundidos) pela unanimidade da mídia grande que defendeu a deforma e martelou que o Brasil estava quebrado, a Previdência falida e que o combate aos privilégios, a retomada do crescimento e a geração de empregos dependiam dela.

Todos os esforços heroicos do movimento sindical e de seus aliados foram insuficientes para reverter este quadro na comunicação, mas continuam necessários na luta de resistência que continua.

As manifestações

As manifestações do dia 12, por exemplo, passam a ser manifestações de cobrança da retomada do crescimento, da geração de empregos e da contenção dos danos futuros causados pela deforma e por todas as agressões ao movimento sindical e aos trabalhadores.

Mais que nunca é necessária a unidade de ação do movimento, nas direções, nos ativistas e nas bases porque a luta será longa, exige ajustes permanentes com a persistência no rumo correto da ação unitária.

João Guilherme Vargas Netto, é consultor sindical de diversas entidades de trabalhadores em São Paulo.

As opiniões aqui expostas não representam necessariamente a opinião do Correio do Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *