Salles é vaiado na Semana Climática da América Latina e Caribe

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 21 de agosto de 2019 as 15:07, por: CdB

Evento que acontece em Salvador chegou a ser cancelado pelo presidente Jair Bolsonaro.

Por Redação, com Agências de Notícias – de Salvador

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, foi vaiado, nesta quarta-feira, durante na Semana Climática da América Latina e Caribe (LAC Climate Week – LACCW), promovida pela Organização das Nações Unidas (ONU), em Salvador (BA). Salles vem se envolvendo em polêmicas com ONGs e o Ministério Público de São Paulo.

Ricardo Salles foi amplamente vaiado em evento sobre o clima em Salvador
Ricardo Salles foi amplamente vaiado em evento sobre o clima em Salvador

Os participantes do evento levaram faixas com as seguintes frases como: “Floresta em pé, fac-símile no chão”, “Facismo” e “Mata Atlântica resiste”.

O Ministério Público de São Paulo abriu inquérito para investigar o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles,por enriquecimento ilícito. Entre 2012 e 2107, o patrimônio de Salles cresceu 335% acima da inflação, o que fez sua fortuna saltar de R$ 1,4 milhão para R$ 8,8 milhões.

O enriquecimento sem justificativa legal, segundo o MP, se deu no período em que Salles foi acusado de fraudar o plano de manejo da várzea do Rio Tietê, em 2016, quando ele era secretário de Meio Ambiente de São Paulo no governo Geraldo Alckmin (PSDB). Antes, entre 2103 e 2014, Salles havia exercido o cargo de secretário particular de Alckmin.

No processo envolvendo a adulteração do plano de manejo, o ministro foi condenado em dezembro do ano passado pela 3ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo. O Tribunal de primeira instância entendeu que ele e a Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), também condenada, se articularam para modificar mapas elaborados pela Universidade de São Paulo (USP), de maneira a beneficiar empresas e companhias mineradoras. Salles também foi condenado por perseguir funcionários públicos que se opunham às fraudes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *