SP comemora aniversário com mais de 300 atividades na cidade

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, São Paulo, Últimas Notícias
Publicado sábado, 25 de janeiro de 2020 as 18:22, por: CdB

Para comemorar neste sábado os 466 anos de São Paulo, a prefeitura da cidade preparou uma programação com mais de 300 atividades.

Por Redação, com ABr – de São Paulo

Para comemorar neste sábado os 466 anos de São Paulo, a prefeitura da cidade preparou uma programação com mais de 300 atividades, incluindo shows, cinema, dança, teatro, circo, programação infantil, debates e roteiros de memória, em cerca de 150 pontos nas ruas e equipamentos culturais municipais.

São Paulo comemora aniversário com mais de 300 atividades
São Paulo comemora aniversário com mais de 300 atividades

A lista das atividades está disponível no site da prefeitura.

Um dos destaques é o Grande Cortejo Modernista, um espetáculo itinerante que será realizasdo no centro da cidade, com dez horas de duração. O cortejo começou no Pateo do Collegio, e terminou na Praça da República, com apresentação de Elba Ramalho, Karol Conka, Rashid e Ney Matogrosso.

Também participaram do cortejo os grupos Bixiga 70, Skank, Demônios da Garoa, Aerogroove, Coral Indígena Guarani Amba Vera, Orquestra Sinfônica Municipal, Coro Lírico, Coral Paulistano, Balé da Cidade, Bonecos da Cia. PiA FraUs, além dos Blocos Pagu, Baixo Augusta e Escola de Samba Vai-Vai.

O objetivo do espetáculo é promover uma viagem pela história do Modernismo e suas manifestações na capital paulista.

Para representar personagens históricos durante o cortejo, foram convidados os atores Pascoal da Conceição (Mário de Andrade), Rosi Campos (Tarsila do Amaral), José Rubens Chachá (Oswald de Andrade), Virgínia Cavendish (Anita Malfatti), Marcos Palmeira (Heitor Villa-Lobos) e Marcelo Airoldi (Di Cavalcanti).

Às 21h, pela Avenida Ipiranga, começou o último evento do cortejo: o Bloco Baixo Augusta embala os participantes com ritmos carnavalescos até a Praça da República anunciando o Carnaval de Rua de São Paulo.

Atrações na periferia

Na Zona Leste, ocorreu o show de Emicida, no Palco Praça Brasil. Os artistas Linn da Quebrada e Dudu Nobre se apresentaram no Centro de Formação Cultural de Cidade Tiradentes.

Na Freguesia do Ó, Zona Norte, o tradicional grupo de forró paulistano Falamansa se apresentou. Na sequência, sobiu ao palco outro grupo de forró, o Rastapé. No palco Brasilândia, as atrações incluiram Cia. de Teatro Evoé, Funk Como Le Gusta e Thaíde Prata da Casae Negra Li  entre outros.

No Butantã, Zona Oeste, a programação começou com o grupo Samba Rock Santo Amaro, formado por alunos de uma oficina realizada na própria Casa de Cultura.

Logo após, o grupo “Eu soul sambarock” relembrou os bailes das periferias de São Paulo desde a década de 1960. A banda Sandália de Prata apresentou seu novo disco, “Maloqueiro e Elegante”. O encerramento foi com a cantora Paula Lima.

Na Zona Sul, no bairro do M’Boi Mirim, houve,, uma apresentação da Equipe Black Mad, com dança e música em ritmos como soul music e funk. Na sequência, Rodriguinho, ex-vocalista do grupo Travessos, apresentou a turnê 30 anos, 30 sucessos. Para encerrar as apresentações neste palco, o grupo de samba Art Popular fez um show.

Exposição

Neste sábado, o Museu de Arte Sacra de São Paulo (MAS) inaugurou também exposição com as obras do Frei Jesuíno. Pintura & Música na Arte Colonial Paulista: Jesuino do Monte Carmelo, sob curadoria de Emerson Ribeiro Castilho, é uma homenagem ao recém completado bicentenário de sua morte, reconhecido como um dos grandes artistas do estado paulista durante o Período Colonial, com atuação como sacerdote, latinista, pintor, arquiteto, compositor e músico.

Jesuíno tinha descendência afro-brasileira, o que toda sua poética artística, conforme compreendido e pesquisado por Mário de Andrade para a elaboração de sua biografia em 1944. Suas obras estão localizadas nas cidades de Itu, São Paulo e Santos. A produção artística de bens móveis do artista está presente nos principais arquivos e coleções de museus de arte e música sacras de São Paulo e no Museu AfroBrasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *