Suprema Corte julga decisão de Johnson de suspender o Parlamento

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 17 de setembro de 2019 as 11:26, por: CdB

Críticos dizem que o premiê deveria sair se os juízes decidirem contra sua medida.

Por Redação, com Reuters – de Londres

A Suprema Corte do Reino Unido se reuniu nesta terça-feira para decidir se a decisão do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, de suspender o Parlamento até poucos dias antes da data para a saída britânica da União Europeia foi ilegal.

Protesto em frente à Suprema Corte do Reino Unido contra decisão do premiê Boris Johnson de suspender o Parlamento

Na semana passada, juízes escoceses determinaram que a medida ilegal, e apoiadores do questionamento legal na Suprema Corte querem que o Parlamento seja reconvocado imediatamente se esta arbitrar contra a medida de Johnson.

Críticos dizem que o premiê deveria sair se os juízes decidirem contra sua medida.

No dia 28 de agosto, Johnson anunciou que pediu à rainha Elizabeth para suspender o Parlamento durante cinco semanas, ou seja, da semana passada até 14 de outubro. Ele argumentou que a paralisação é necessária para que possa apresentar uma nova pauta legislativa.

Oponentes

Oponentes dizem que a verdadeira razão é impedir uma devassa e questionamentos do Parlamento, onde hoje ele não tem maioria, a seus planos para o Brexit, especialmente sua promessa de tirar o país da UE em 31 de outubro, mesmo que um acordo de saída não tenha sido acertado.

Em um julgamento comprometedor realizado na quarta-feira, a mais alta corte da Escócia disse que a suspensão é uma tentativa “ofensiva” de bloquear o Legislativo.

Uma semana antes, a Alta Corte da Inglaterra e do País de Gales rejeitou um caso semelhante, dizendo que a questão é política, e não sujeita a uma interferência judicial.

Agora os dois casos estão aos cuidados da Suprema Corte, a mais alta instância legal do Reino Unido. Seus 11 juízes decidirão o quanto a Constituição britânica não-escrita limita o poder do premiê e, consequentemente, se o conselho de Johnson à rainha foi ilegal.

A contestação legal

Ao iniciar a contestação legal à decisão de Johnson, com uma mistura de ativistas anti-Brexit e parlamentares de oposição, David Pannick disse haver indícios fortes de que o primeiro-ministro quis silenciar o Parlamento por vê-lo como um obstáculo.

Johnson disse que a legislatura atual é a mais duradoura de todas desde a Guerra Civil Inglesa do século 17 e que os parlamentares terão tempo de sobra para debater o Brexit novamente após uma cúpula da UE entre os dias 17 e 18 de outubro.

Ao ser indagado na sexta-feira se ludibriou a rainha, Johnson respondeu: “Certamente que não”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *