Talebã diz não ter acordo com Estados Unidos para encerrar guerra afegã

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 19 de novembro de 2018 as 11:06, por: CdB

A segurança afegã piorou desde que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) encerrou as operações de combate formalmente em 2014, já que insurgentes do Talebã estão lutando para restaurar a lei islâmica depois de serem depostos por tropas lideradas pelos EUA em 2001.

Por Redação, com Reuters – de Cabul

Uma reunião de três dias entre o Talebã e um enviado especial dos Estados Unidos ao Afeganistão para abrir caminho a conversas de paz terminou sem acordo, disse o grupo militante um dia depois de o diplomata anunciar o prazo de abril de 2019 para o fim da uma guerra de 17 anos.

Os líderes do Talebã não aceitaram nenhum prazo estabelecido pelos EUA para encerrar as conversas, disseram três autoridades do grupo

A segurança afegã piorou desde que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) encerrou as operações de combate formalmente em 2014, já que insurgentes do Talebã estão lutando para restaurar a lei islâmica depois de serem depostos por tropas lideradas pelos EUA em 2001.

Líderes do grupo islâmico radical se reuniram com o enviado especial norte-americano, Zalmay Khalilzad, em sua sede política no Qatar na semana passada pela segunda vez no último mês, disse o porta-voz Zabiullah Mujahid.

– Estas foram conversas preliminares, e não se chegou a nenhum acordo sobre nenhuma questão – disse ele em um comunicado nesta segunda-feira.

Os líderes do Talebã não aceitaram nenhum prazo estabelecido pelos EUA para encerrar as conversas, disseram três autoridades do grupo.

A embaixada dos EUA em Cabul não quis comentar.

Khalilzad, diplomata nascido no Afeganistão e autorizado pelo governo do presidente Donald Trump a conduzir negociações de paz com o Talebã, disse no domingo que espera firmar um acordo de paz com o grupo até 20 de abril, prazo que coincide com a data marcada para a eleição presidencial no país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *