Talebã liberta civis, mas mantém 20 reféns no Afeganistão

Arquivado em: Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 21 de agosto de 2018 as 13:34, por: CdB

Quase 200 passageiros foram capturados por insurgentes do Talebã em Kunduz, província do norte do país, quando viajavam à capital Cabul

Por Redação, com Reuters – de Cabul

O Talebã libertou mais de 160 civis nesta terça-feira um dia depois de sequestrá-los de três ônibus no norte do Afeganistão, mas manteve ao menos 20 soldados e policias como reféns, disse uma autoridade nesta terça-feira.

Fumaça vista em local de ataque em Cabul, no Afeganistão

Quase 200 passageiros foram capturados por insurgentes do Talebã em Kunduz, província do norte do país, quando viajavam à capital Cabul.

– Mais de 160 civis chegaram em casa sãos e salvos, mas pelo menos 20 soldados e policias foram levados pelo Talebã a um local desconhecido – disse Ghulam Rabani Rabani, membro de um conselho provincial de Kunduz.

Dois comandantes do Talebã confirmaram a soltura dos civis. Um disse que os insurgentes não tinham intenção de ferir os civis, que viajavam durante o feriado de Eid al-Adha, mas que manterão os soldados e policias como prisioneiros.

– Queríamos enviar ao governo a mensagem poderosa de que podemos lançar muitos ataques e derrotá-los em todos os níveis – disse um dos comandantes, que não quis ser identificado.

A libertação dos civis foi anunciada não muito tempo depois de vários foguetes explodirem perto da zona diplomática de Cabul no momento em que o presidente afegão, Ashraf Ghani, falava durante uma cerimônia de orações do Eid al-Adha.

O porta-voz do Ministério do Interior, Nusrat Rahimi, disse que alguns dos foguetes caíram perto do palácio presidencial e nos arredores de complexos de embaixadas e edifícios do governo.

Não ficou claro de imediato quem foi responsável pelo ataque, ocorrido dois dias depois de Ghani oferecer um cessar-fogo condicional de três meses ao Talebã.

O grupo rejeitou a oferta, segundo os dois comandantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *