Tapetes de Corpus Christi mantêm tradição secular no Rio

Arquivado em: Destaque do Dia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 31 de maio de 2018 as 18:00, por: CdB

Os tapetes de Corpus Christi se estenderam desde o altar da catedral até a Avenida Chile, de onde o arcebispo Dom Orani Tempesta participou de uma procissão, durante esta tarde.

 

Por Redação – do Rio de Janeiro

Populares de paróquias da Arquidiocese do Rio de Janeiro trabalharam desde as primeiras horas da manhã desta quinta-feira na confecção dos tradicionais tapetes de Corpus Christi na Catedral Metropolitana de São Sebastião. As obras de arte foram realizadas com mais de 60 quilos de sal e serragem coloridos. Os tapetes representaram imagens cristãs e mensagens de fé.

Os tapetes de Corpus Christi são uma tradição secular no Rio
Os tapetes de Corpus Christi são uma tradição secular no Rio

Os tapetes se estenderam desde o altar da catedral até a Avenida Chile, de onde o arcebispo Dom Orani Tempesta participou de uma procissão, durante a tarde. Ele levou o ostensório com o Santíssimo; que representa o corpo de Jesus Cristo, na fé católica. No cortejo, apenas o arcebispo seguiu sobre os tapetes, enquanto outros sacerdotes e religiosos caminharam pelas laterais.

Emoção

O tapete mais próximo do altar foi o da própria catedral. Os outros cinco tapetes seguintes foram confeccionados por seminaristas. Os demais de 70 desenhos de sal foram organizados em ordem de chegada. Os primeiros da fila vieram da Paróquia Nossa Senhora Aparecida, no Caxambi; também na Zona Norte. Eles chegaram às 3h30 da manhã, depois de terem concluído o tapete na rua de sua própria paróquia, à 1h.

Um dos organizadores da tradição, o padre Ramon Nascimento, da Cidade de Deus, usava um microfone para dar avisos aos fiéis. Pedia para não deixar espaços descobertos entre os tapetes e para cobrir todo o caminho que o arcebispo percorrerá.

— É um momento que emociona. Estar com Jesus no Santíssimo Sacramento é muito especial. Corpus Christi é Jesus que se doa a nós como alimento e nos convida a nos doarmos uns aos outros — disse ele, a jornalistas, sobre a procissão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *