Tiroteios constantes assustam moradores em Niterói

Arquivado em: Destaque do Dia, Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 24 de dezembro de 2018 as 11:33, por: CdB

De acordo com os moradores, já faz uma semana que os tiroteios não dão trégua no Morro dos Marítimos. A PM afirma que os conflitos são entre traficantes de facções rivais que disputam o controle de venda de drogas na região.

Por Redação, com agências de notícias – do Rio de Janeiro

Tiroteios constantes assustaram moradores do Barreto, em Niterói, um confronto no Morro dos Marítimos aterrorizou quem mora na região na noite de domingo. Durante o dia foram registrados, pelo menos, quatro tiroteios na comunidade. Segundo morador, os tiros começaram a ser ouvidos logo na hora do almoço, por volta do meio dia.

De acordo com os moradores, já faz uma semana que os tiroteios não dão trégua no Morro dos Marítimos

– Terror total. Ninguém está saindo de casa, o pessoal está evitando sair de carro, com medo de um sequestro. Então, o medo do pessoal é que saia de carro na rua e bata de frente com um bonde desse aí e pronto. É sequestro, é tiro, é pânico, é pânico total – afirmou um morador.

De acordo com os moradores, já faz uma semana que os tiroteios não dão trégua no Morro dos Marítimos. A PM afirma que os conflitos são entre traficantes de facções rivais que disputam o controle de venda de drogas na região.

– É briga entre eles. Eles atiram de um lado, outros atiram do outro. E detalhe: eles estão no mesmo morro. A gente fica em pânico. É projetil para tudo quanto é lado do bairro. Onde você anda, tem munição caindo. Literalmente, estamos vivendo uma chuva de chumbo no Barreto.

PMs mortos

Morreu nas últimas horas, o soldado da Polícia Militar Diego Mota Domingues, de 32 anos, lotado no 4º Batalhão, em São Cristóvão, zona norte do Rio. O militar morreu no sábado, quando saia de casa e foi surpreendido por dois homens em uma motocicleta. Com a morte de Domingues, sobe para 95 o número de policiais militares mortos desde o início do ano.

O militar estava de folga e deixava sua residência na rua Maria Rita, bairro Porto Novo, em São Gonçalo, região metropolitana do Rio, quando foi alvo de disparos feitos pelos homens da moto, que fugiram em seguida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *