Tóquio 2020: calor forte preocupa organizadores após morte de 57 pessoas

Arquivado em: Destaque do Dia, Esportes, Esportes Olímpicos, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 6 de agosto de 2019 as 12:29, por: CdB

Temperaturas elevadas mataram 57 pessoas no Japão desde o final de julho, disseram autoridades nesta terça-feira.

Por Redação, com Reuters – de Tóquio

Temperaturas elevadas mataram 57 pessoas no Japão desde o final de julho, disseram autoridades nesta terça-feira, ressaltando a ameaça de saúde a atletas e torcedores que os organizadores precisam resolver antes dos Jogos do ano que vem em Tóquio.

Crianças se refrescam em névoa durante testes de medidas para combater o calor antes dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, em Tóquio, no Japão

Os termômetros têm ficado acima dos 31 graus Celsius dentro e nos arredores de Tóquio desde 24 de julho, a data em que a Olimpíada de Verão de 17 dias começará na capital japonesa no ano que vem.

O calor sufocante matou 57 pessoas em todo o país na semana de 29 de julho a 4 de agosto, disse a Agência de Administração de Desastres nesta terça-feira. Mais de 1,8 mil pessoas foram hospitalizadas em Tóquio.

No verão passado, as temperaturas atingiram o recorde de 41,1ºC ao norte de Tóquio, que sediou os Jogos pela primeira vez em 1964, quando ocorreram em outubro para evitar o calor. Quatro anos depois, os Jogos da Cidade do México também fora remarcados para outubro.

Desde 1976, a maioria das Olimpíadas de Verão foi realizada durante o verão do Hemisfério Norte devido à programação televisiva e aos eventos esportivos internacionais, forçando os organizadores da Tóquio 2022 a encontrar maneiras de manter atletas e milhares de torcedores refrescados e hidratados.

Condições climáticas

– As condições climáticas criaram desafios para os organizadores de Jogos Olímpicos e Paralímpicos muitas vezes. Também entendemos que às vezes competições de elite podem ser realizadas com padrões climáticos ainda mais difíceis do que em Tóquio – disse o porta-voz da Tóquio 2020, Masa Takaya.

Os Jogos de Atenas de 2004 e de Pequim de 2008 também aconteceram em cidades conhecidas por seu calor de verão.

– Com respeito a isso, apoio e especialização do COI e da federação esportiva baseados em suas experiências passadas são extremamente valiosos – disse, referindo ao Comitê Olímpico Internacional.

Os organizadores da Tóquio 2022 estão avaliando medidas de combate ao calor, de jatos de névoa e bolsas de gelo a áreas de repouso sombreadas e barracas em postos de segurança.

– Continuaremos trabalhando intensamente com o Governo Metropolitano de Tóquio, com o governo nacional e com elementos relevantes para garantir a realização bem-sucedida dos Jogos – disse Takaya.

Os verões japoneses são quentes, e estão ficando mais quentes.

Embora tenha havido dias escaldantes no passado, as temperaturas chegaram a 32,6ºC em 24 de julho de 1964, o Japão está tendo mais deles, e as noites não refrescam tanto como antes, mostraram dados da Agência Meteorológica do Japão.

Pan-Americanos de Lima

A equipe brasileira de ginástica rítmica conquistou na segunda-feira sua primeira medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru. As brasileiras marcaram 24,250 pontos na apresentação de equipes de três arcos e dois pares de maças e superaram as equipes do México (23,250 pontos) e de Cuba (22,200 pontos), que ficaram com as medalhas de prata e de bronze.

A conquista amenizou a frustração das atletas pelo resultado obtido no sábado. Na ocasião, o grupo ficou com o bronze na disputa por equipes, na qual o Brasil mantinha uma hegemonia de medalhas de ouro nas últimas cinco edições do Pan.

Nas apresentações individuais, a ginasta Bárbara Domingos conquistou a prata na fita. A atleta marcou 17,450 pontos na modalidade e superou a mexicana Karla Diaz, medalhista de bronze com 16,200 pontos. A medalha de ouro ficou com a norte-americana Evita Griskenas, que marcou 17,950 pontos.

Esgrima

O Brasil também alcançou hoje seu melhor resultado na esgrima em todas as edições dos Jogos  Pan-Americanos. A atleta Bia Bulcão conquistou medalha de bronze na modalidade florete feminino, após ter sido derrotada na semifinal. A vencedora da disputa, a norte-americana Lee Kiefer, é a atual campeã mundial da categoria e detém o título no Pan desde 2010.

Na categoria espada masculina, Nicolas Ferreira perdeu para o venezuelano Ruben Limardo Gascón e está fora da disputa por medalhas. Já o brasileiro Athos Schwantes venceu o argentino Jose Feliz Dominguez por 15 a 10 e avançou para as quartas de final.

Tênis de mesa

No tênis de mesa feminino, as brasileiras Bruna Takashi e Jessica Yamada venceram as partidas realizadas hoje e avançaram às quartas de final. Bruna superou a equatoriana Nathaly Paredes por 4 sets a 1 (11/6, 11/6, 15/17, 11/5 e 11/4). Jessica venceu a cubana Daniela Fonseca por 4 sets a 2 (11/9, 11/6, 6/11, 9/11, 11/8 e 11/7).

Na disputa por duplas mistas, a equipe brasileira formada pelos atletas Gustavo Tsuboi e Bruna Takahashi venceram os porto-riquenhos Brian Afanador e Adriana Diaz por 4 a 1 (7/11, 13/11, 15/13, 11/9 e 11/7). Com o resultado, a dupla foi para a disputar da medalha de ouro, mas perdeu para os canadenses Mo Zhang e Eugene Wang por 4 a 1 e ficaram com a prata.

Outras modalidades

Na ginástica de trampolim, o brasileiro Rayan Dutra ficou sem medalha após marcar 55,215 pontos em sua apresentação. Ele terminou o Pan de Lima em quinto lugar. A medalha de ouro ficou com o canadense Jérémy Chartier (57,440 pontos). Os norte-americanos Jeffrey Gluckstein (57,290 pontos) e Ruben Padilla (57,160 pontos) ficaram com a prata e o bronze.

No polo aquático, a equipe feminina do Brasil disputou hoje sua segunda partida no Pan e para os Estados Unidos e perdeu por 20 a 4. Na primeira partida, realizada no domingo, as atletas haviam vencido a Venezuela pelo placar de 15 a 4.

Nos saltos ornamentais, os brasileiros Isaac Nascimento de Souza e Kawan Pereira disputaram a preliminar da plataforma de 10 metros e se classificaram para a final. Isaac terminou em sexto, enquanto Kawan ficou em 11º lugar. A final será realizada ainda hoje (5), às 22h37 (horário de Brasília).

Quadro de medalhas

O Brasil segue na vice-liderança do quadro de medalhas dos Jogos Pan-Americanos de Lima. A delegação conquistou 23 medalhas de ouro, 17 de prata e 35 de bronze, 75 no total.

O Canadá aparece em seguida, com 21 medalhas de ouro, 38 de prata e 25 de bronze, 84 no total. A liderança do quadro está com os Estados Unidos, que já conquistaram 57 medalhas de ouro, 46 de prata e 37 de bronze, totalizando 140 medalhas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *