Tóquio se aproxima de conclusão de obras em instalações olímpicas

Arquivado em: Destaque do Dia, Esportes, Esportes Olímpicos, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 21 de novembro de 2019 as 13:47, por: CdB

As obras em duas instalações da Tóquio 2020 estão quase finalizadas oito meses antes do início da Olimpíada.

Por Redação, com Reuters – de Tóquio/Belgrado

As obras em duas instalações da Tóquio 2020 estão quase finalizadas oito meses antes do início da Olimpíada de 2020, e os preparativos entraram na reta final do cronograma.

Exterior do Centro Aquático dos Jogos de Tóquio 2020
Exterior do Centro Aquático dos Jogos de Tóquio 2020

O elegante Centro Aquático de Tóquio, onde ocorrerão as provas de natação e salto ornamental, está 90% completo, de acordo com o Governo Metropolitano de Tóquio (TMG), e dentro do prazo de conclusão do final de fevereiro.

O local dos jogos de vôlei e basquete de cadeirantes está 98% finalizado, só faltando a pintura do piso interior.

Todos os locais de competição sendo construídos ou reformados para a Tóquio 2020 estão no prazo, incluindo o Estádio Nacional, o principal palco dos Jogos, cuja construção foi terminada na semana passada.

– O que falta fazer é finalizar parte do teto interior e exterior, além de alguns equipamentos de escritório de dentro do edifício – disse Daishu Tone, diretor de instalações do Centro Aquático, nesta quinta-feira.

– Tudo será finalizado até fevereiro do ano que vem.

O Centro Aquático, que custou US$ 523 milhões, será a última instalação a ser concluída. O evento de teste de natação acontecerá lá em 14 e 15 de abril.

Além do Estádio Olímpico e da vila para atletas olímpicos e paralímpicos, o TMG está erguendo oito novos locais de competição para os Jogos.

Muitos dos outros eventos estão programados em locais preexistentes na tentativa de conter os gastos.

A Olimpíada de Tóquio acontecerá entre os dias 24 de julho e 9 de agosto.

Sérvia

O técnico assistente do Sacramento Kings, Igor Kokoskov, assumiu o comando de sua Sérvia nativa na tentativa de levar a seleção à Olimpíada de Tóquio no ano que vem, informou a federação de basquete da nação balcânica (KSS) na quarta-feira.

Kokoskov se desdobrará, continuando como assistente do treinador do Kings, Luke Walton, enquanto se empenha em ajudar os sérvios nas classificatórias para o torneio olímpico de basquete em junho.

– Estamos encantados de ter um técnico da qualidade de Kokoskov no comando agora que visamos as classificatórias olímpicas – disse o presidente da KSS, Predrag Danilovic.

– Somos muito gratos ao Sacramento Kings, principalmente (ao gerente-geral) Vlade Divac, por fazer isso dar certo – acrescentou Danilovic, ex-ala-armador que atuou no Dallas Mavericks e no Miami Heat nos anos 1990.

Divac, ex-pivô do Kings e do Los Angeles Lakers, também é vice-presidente de operações de basquete do Kings, cujo elenco inclui os sérvios Bogdan Bogdanovic e Nemanja Bjelica.

Predrag Stojakovic, que levou a ex-Iugoslávia ao título da Copa do Mundo em 2002 ao lado de Divac em Indianápolis e conquistou o título de 2011 da NBA com o Mavericks, é o diretor de jogadores e de desenvolvimento da franquia.

Kokoskov, que se encarregou do Phoenix Suns na temporada passada depois de conduzir a Eslovênia ao Campeonato Europeu de 2017, disse que ser escolhido como técnico da Sérvia é um privilégio.

– É uma grande honra para mim e minha família, porque sei muito bem quanto afeto as pessoas da Sérvia têm por sua seleção de basquete.

– Também estou ciente das grandes expectativas, dados os padrões altos e o sucesso que tivemos nas gerações passadas. É a realização de um sonho ter uma chance de repetir estes feitos.

Como país independente, a Sérvia conquistou quatro medalhas de prata na arena mundial, já que subiu ao pódio no Campeonato Europeu de 2009, na Copa do Mundo de 2014, na Olimpíada de 2016 e no Eurobasket de 2017.

O time foi derrotado na final de 2017 pelos ex-iugoslavos eslovenos treinados por Kokoskov, que superou sua contraparte Aleksandar Djordjevic e agora o sucede como treinador da Sérvia.

– Aceitei este desafio porque, depois de 20 anos na NBA em vários níveis, também quero retribuir de alguma forma ao meu país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *