Turquia acusa EUA de dar milhões de dólares a militantes na Síria

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018 as 12:22, por: CdB

A Turquia considera as YPG uma organização terrorista e lançou em janeiro passado uma ofensiva contra o grupo no cantão sírio de Afrin

Por Redação, com EFE – de Ancara:

O presidente da Turquia, o islamita Recep Tayyip Erdogan, criticou nesta sexta-feira os Estados Unidos por apoiar as milícias curdas na Síria, ao denunciar que Washington planeja dar centenas de milhões de dólares a grupos “terroristas”.

Turquia acusa EUA de darem milhões de dólares a “terroristas” na Síria

– Se você der apoio de 500 ou US$ 550 milhões do orçamento aos terroristas, temos que dizer que está correto, que está em um bom caminho? – acusou Erdogan; em referência ao que a Turquia considera planos dos EUA para financiar as YPG; uma milícia curda aliada de Washington contra o jihadista Estado Islâmico (EI).

A Turquia considera as YPG uma organização terrorista e lançou em janeiro passado uma ofensiva contra o grupo no cantão sírio de Afrin; que Erdogan afirmou hoje ficará em breve “limpo de terroristas”.

– Este verão vai ser quente tanto para os terroristas como para quem os apoia – advertiu o presidente turco, reiterando que; uma vez concluída a operação em Afrin, as tropas turcas irão para Manbij; outra região síria em mãos das YPG e onde, ao contrário de Afrin; há presença de forças da coalizão internacional contra o Estado Islâmico liderada pelos Estados Unidos.

Eufrates

– Primeiro limparemos Manbij de terroristas e depois transformaremos o leste do (rio) Eufrates; em uma região segura para nós e nossos irmãos e irmãs sírias – afirmou Erdogan.

O presidente turco disse que, após 35 dias de operação militar, a Turquia já controla 415 quilômetros quadrados em Afrin; aproximadamente 20% do território.

– Espero que em pouco tempo possamos limpar Afrin de terroristas e deixar que centenas de milhares de sírios que vivem no nosso país retornem aos seus lares – afirmou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *