UE reabre fronteiras internas, mas se blinda do resto do mundo

Arquivado em: América do Norte, América Latina, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 15 de junho de 2020 as 10:30, por: CdB

Precisando reanimar economia, livre-circulação europeia é parcialmente retomada. Mas muitos países-membros ainda mantêm restrições, e bloco segue fechado para visitantes de regiões com epidemia fora de controle.

Por Redação, com DW – de Genebra

As fronteiras da União Europeia foram reabertas nesta segunda-feira, após três meses de fechamentos forçados pela pandemia de covid-19, iniciados no mês de março. Algumas restrições, porém, ainda permanecem no bloco, que seguirá fechado para visitantes de países onde o vírus está fora de controle, como Brasil e Estados Unidos.

A fronteira entre Alemanha e Dinamarca foi uma das que reabriu
A fronteira entre Alemanha e Dinamarca foi uma das que reabriu

Os controles de fronteira foram removidos pela maior parte dos países, puxados por Alemanha, Bélgica e França. A Itália, um dos países mais atingidos pelo coronavírus no continente, já havia tomado essa decisão há duas semanas.

A abertura foi adotada pelos Estados-membros da União Europeia (UE) e os países que integram o espaço Schengen, a zona de livre-movimentação, mas não estão no bloco, como Islândia e Suíça.

– É o momento de virarmos a página do primeiro capítulo da crise e redescobrir nosso gosto pela liberdade – disse o presidente francês, Emmanuel Macron. “Isso não significa que o vírus desapareceu e que podemos baixar totalmente a guarda. O verão de 2020 será um verão como nenhum outro.”

Na Europa, ainda prevalece a cautela, após as 182 mil mortes ocorridas em razão da pandemia. O continente registrou mais de 2 milhões das quase 8 milhões de infecções em todo o globo, seguindo dados da Universidade Johns Hopkins.

Entretanto, a necessidade de reavivar o setor do turismo é algo urgente para muitos países, como Espanha e Grécia, enquanto se multiplicam os graves efeitos econômicos da pandemia.

– Temos a pandemia sob controle, mas a abertura de nossas fronteiras é um momento crítico – alertou neste domingo o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, que adiou a abertura de seu país para o dia 21 de junho. “A ameaça ainda é real. O vírus ainda está à solta”, afirmou.

A Espanha, porém, permitirá a entrada de milhares de turistas alemães que viajam para as ilhas Baleares, como Ibiza e Mallorca, removendo a exigência de 14 dias de quarentena para esses grupos. A intenção é avaliar as melhores práticas a serem adotaras na era do coronavírus.

– Esse programa-piloto nos ajudará bastante a entender o que virá pelos próximos meses – disse Sánchez. “Queremos que o nosso país, já conhecido como um destino turístico de classe mundial, seja reconhecido também como um destino seguro.”

O primeiro-ministro grego, Kyriakos Mitsotakis, disse que “muito vai depender da sensação de segurança das pessoas ao viajarem e se podemos projetar uma imagem da Grécia como um destino turístico seguro”.

Regras diferentes

A reabertura das fronteiras europeias ocorre em meio a uma série de regras diferentes adotadas Estados-membros: nem todos os cidadãos estão livres para viajar para onde queiram, e muitos países ainda se mantêm fechados.

A Suíça ainda mantém o fechamento das fronteiras com a Itália, e a Noruega faz o mesmo em relação à Suécia, país que optou por evitar as medidas de confinamento e acabou registrando uma taxa de mortalidade relativamente alta em comparação com as demais nações europeias.

O Reino Unido, que deixou de integrar formalmente a UE em janeiro, mas mantêm relações próximas com bloco, impôs na semana passada uma quarentena obrigatória de 14 dias para a grande maioria das pessoas que chegarem ao país. A medida gerou fortes críticas do setor do turismo e das companhias aéreas.

Como resultado, a França passou a recomendar o confinamento de duas semanas para as pessoas que vierem do Reino Unido. Alguns países sequer permitem a entrada de turistas britânicos nessa primeira etapa da reabertura das fronteiras.

Bulgária, Croácia, Hungria, Letônia, Lituânia, Estônia, Eslováquia e Eslovênia também removeram as restrições à entrada de estrangeiros, mas mantiveram as proibições para os países considerados inseguros, o que, em muitos casos, inclui a Suécia e o Reino Unido.

A Polônia promoveu a reabertura das fronteiras no dia 13 de junho para todos os países europeus e também para o Reino Unido. Suécia e Luxemburgo sequer chegaram a fechar suas fronteiras, mas observaram os países vizinhos adortarem essas medidas.

Covid-19

Com a retomada apenas gradual dos voos no continente, é possível que muitos europeus evitem viajar em razão dos temores de uma nova onda de covid-19, além do aumento recorde do desemprego e reduções de salários e das incertezas sobre o distanciamento social nos locais turísticos.

A chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, e seu homólogo austríaco, Sebastian Kurz, anunciaram planos de passarem suas férias em seus próprios países.

– A recomendação é que, se desejam permanecer realmente seguros, passem suas férias na Áustria – disse o ministro austríaco do Exterior, Alexander Schallenberg. Ele lembrou a complicada operação para repatriar milhares de cidadãos austríacos após o fechamento das fronteiras em março.

O governo alemão, que montou operações para trazer em torno de 240 mil pessoas de volta ao país no auge da pandemia, também deseja evitar uma nova situação como aquela.

O ministro alemão do Exterior lançou um apelo semelhante aos seus cidadãos. “Aproveitem suas férias de verão, mas com cautela e responsabilidade”, alertou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *