União entre Ciro e Lula é bem recebida por governador do Partido Comunista do Brasil

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 30 de outubro de 2020 as 16:32, por: CdB

Segundo o governador Flávio Dino (PCdoB), o possível acordo tende a representar um ganho de qualidade a mais na disputa presidencial, tanto agora, no segundo turno das eleições municipais desse ano, quanto na campanha presidencial de 2022.

Por Redação – de São Luíz e São Paulo

Governador do Maranhão, o ex-desembargador Flávio Dino (PCdoB) considera “muito positivo” o diálogo entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o presidenciável Ciro Gomes (PDT-CE). Segundo o governante comunista, “é importante ter uma união progressista, união popular, união civilizacional para proteger o Brasil da barbárie, do atraso, das trevas que é o que o Bolsonaro e o bolsonarismo representam”.

Lula e Dino se cumprimentam, na tentativa de encerrar um episódio de confronto entre o PT e os comunistas
Amigo pessoal de Lula e Ciro, Dino trabalha no sentido de unificar as iniciativas do PT e do PDT, para as eleições presidenciais, em 2022

— Lula e Ciro são grandes lideranças. Eles conversarem é muito bom. Eu achei muito positivo que haja esse diálogo. As diferenças são legítimas, mas vocês são testemunhas do tanto que eu tenho falado nisso, insistentemente, de uma união ampla, colocar consensos na frente de dissensos, convergências na frente de divergências, olhar mais para frente — afirmou Dino ao jornalista de ultradireita Fábio Pannunzio, nesta sexta-feira.

Segundo o governador, o possível acordo tende a representar um ganho de qualidade na disputa presidencial, tanto no segundo turno das eleições municipais desse ano quanto na campanha de 2022.

— Abre um espaço que tem uma dimensão prática agora já para os segundos turnos das eleições municipais. Serão disputas bastante importantes em muitas capitais e cidades — acrescentou.

Diálogo

A primeira reunião entre o ex-presidente e o pedetista, depois da campanha de 2018, aconteceu na sede do Instituto Lula, em São Paulo, no começo de setembro. O encontro foi intermediado pelo governador do Ceará, Camilo Santana (PT), aliado dos irmãos Ferreira Gomes em seu Estado.

Ciro Gomes, na véspera, em entrevista a jornalistas, voltou a defender o diálogo com Lula. Ao se manifestar pelo afastamento de Bolsonaro, o ex-governador do Ceará afirmou ser necessário “promover o impeachment desse presidente genocida e irresponsável para proteger a democracia brasileira e punir seus reiterados crimes de responsabilidade”.

Selar pazes

O presidenciável pedetista e ex-ministro publicou uma sequência de tweets, na noite passada, na qual defende diálogo com o ex-presidente Lula em nome de uma causa maior.

O encontro entre Lula e Ciro, durante uma tarde inteira, foi alvo de repercussão na mídia conservadora. Consta que selaram as pazes em torno de uma aliança para 2022.

— Considero-me mais do que autorizado, sinto-me obrigado a construir, no que estiver ao meu alcance, o diálogo possível com quem for necessário para proteger a nação brasileira — concluiu o pedetista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *