Urnas deixam o país mais justo nas questões de gênero e cor da pele

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 16 de novembro de 2020 as 18:13, por: CdB

Em relação ao gênero e à tonalidade da pele das pessoas, na Região Sul do país, em Porto Alegre (RS), a agora vereadora Karen Santos (PSOL ) foi a mais votada da capital gaúcha com 15.702 votos.

Por Redação – de São Paulo

As questões de gênero e cor da pele prevaleceram nos principais centros urbanos do país e o primeiro turno das eleições municipais deste ano se encerrou anunciando um 2021 ainda mais diverso e representativo, nas casas legislativas.

Erika Hilton, no entanto, é a única que aparece nas duas contagens por ser negra e mulher trans. Ela foi leita para a Câmara Municipal de São Paulo
Erika Hilton, no entanto, é a única que aparece nas duas contagens por ser negra e mulher trans. Ela foi leita para a Câmara Municipal de São Paulo

Em relação ao gênero e à tonalidade da pele das pessoas, na Região Sul do país, em Porto Alegre (RS), a agora vereadora Karen Santos (PSOL ) foi a mais votada da capital gaúcha com 15.702 votos. O mesmo aconteceu em Recife (PE), onde Dani Portela, da mesma sigla, angariou 14.114 votos, sendo a mais votada na cidade.

Porto Alegre elegeu ainda Laura Sito (PT), a décima vereadora com mais votos. Em Curitiba, Carol Dartora, também do PT, foi a terceira mais votada com 8.874 votos depositados nas urnas.

Bancadas

Levantamento feito pela reportagem do Correio do Brasil mostra que três mulheres transexuais e treze mulheres negras saíram das urnas entre os dez candidatos mais votadas nos grandes centros urbanos. Erika Hilton, no entanto, é a única que aparece nas duas contagens por ser negra e mulher trans. Ela foi leita para a Câmara Municipal de São Paulo.

As eleições deste domingo também mostraram que houve um crescimento no apoio à esquerda. Em São Paulo, o aumento no campo das esquerdas entre os vereadores em São Paulo deve-se ao desempenho do candidato Guilherme Boulos (PSOL), que disputa agora o segundo turno com o tucano Bruno Covas. A legenda, com apenas dois representantes no Parlamento municipal, sobe a seis. PT e PSDB permanecem com as maiores bancadas, com oito vereadores cada.

Enquanto as candidaturas mais humanistas cresceram, aquelas apoiadas por Jair Bolsonaro (sem partido), entre elas Clau de Luca (PRTB), recebeu apenas 5.793 votos e não se elegeu. Sonaira Fernandes (Republicanos) foi eleita na 52ª posição entre as 55 vagas, com 17.881 votos. Ela recebeu menos votos absolutos do que nomes como o atual vereador Paulo Reis (PT) e o mandato coletivo de mulheres sem teto do PSOL, mas foi eleita puxada pelo coeficiente eleitoral.

Suplicy

PT, PSOL e PSB juntos terão 14 dos 55 mandatos. Mas, enquanto a cadeiras do PSOL triplicaram, PT e PSB perderam um vereador cada. As maiores bancadas eleitas incluem ainda DEM (com seis vereadores eleitos) e Republicanos (com quatro).

Pela segunda eleição seguida, Eduardo Suplicy (PT) foi o vereador mais votado na cidade, com 167 mil votos (3,28 % do total). Um dos fundadores do PT, é um dos maiores defensores do projeto de renda mínima cidadã e foi senador por 24 anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *