VAR não será rígido com toques de mão na Premier League, diz Mike Riley

Arquivado em: Destaque do Dia, Esportes, Futebol, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 8 de julho de 2019 as 12:23, por: CdB

O VAR criou polêmica na Copa do Mundo de Futebol Feminino, surpreendendo jogadoras e técnicos e frustrando torcedores.

Por Redação, com Reuters – de Londres

A tecnologia do árbitro de vídeo (VAR) não será usada para aplicar um controle rígido dos toques de mão quando estrear na Premier League inglesa na próxima temporada, disse o chefe dos árbitros, Mike Riley.

Telão do estádio informa torcida sobre revisão do VAR em partida da Copa do Mundo feminina na França

O VAR criou polêmica na Copa do Mundo de Futebol Feminino, surpreendendo jogadoras e técnicos e frustrando torcedores.

Riley disse que várias penalidades concedidas por toques de mão no torneio, e também na temporada mais recente da Liga dos Campeões, não serão aplicadas na liga inglesa.

Toque

“Ainda existem áreas de interpretação quanto à maneira como o novo toque de mão foi escrito, efetivamente o que se considera uma posição antinatural das mãos e braços”, disse ele ao jornal Times nesta segunda-feira.

“Neste país sempre dissemos, e isso são os jogadores e técnicos que nos disseram, que os braços são parte do jogo e que, contanto que não se esteja tentando estender o corpo para impedir um chute, existe mais âmbito para que não penalizemos”.

“O que não queremos criar é uma cultura na qual zagueiros têm que defender com as mãos atrás das costas ou na qual é aceitável atacantes tentarem chutar bolas em suas mãos para conseguir um pênalti”.

A nova lei

A nova lei determina que os jogadores que “correm um risco” colocando mãos ou braços acima da altura dos ombros ou em uma “posição antinatural” e tornando o corpo “artificialmente maior” deveriam ser penalizados, ainda que o toque de mão não seja deliberado.

Mas Riley disse que os árbitros do Campeonato Inglês terão que ser convencidos de que o zagueiro estava tentando criar uma barreira maior para um oponente deliberadamente, ao invés de esticar os braços para se equilibrar.

EUA vencem Holanda

Os Estados Unidos conquistaram o quarto título da Copa do Mundo feminina com uma vitória por 2 a 0 sobre a campeão europeia Holanda no domingo, com gols de Megan Rapinoe e Rose Lavelle.

Rapinoe abriu o placar aos 16 minutos do segundo tempo com um pênalti marcado pelo VAR, e Lavelle fechou o placar oito minutos depois com um chute de esquerda de dentro da área. Os EUA já haviam conquistado o título em 1991, 1999 e 2015.

Holanda

A Holanda se esforçou e a goleira Sari van Veenendaal evitou por muito tempo um gol dos EUA com defesas superbas diante de 57,9 mil torcedores no estádio Groupama de Lyon.

Mas Van Veenendaal não teve o que fazer quando Rapinoe marcou de pênalti para se juntar à colega de equipe Alex Morgan e à inglesa Ellen White com seis gols no torneio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *