Von der Leyen pede que UE e Reino Unido adotem padrões sociais e climáticos altos

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 11 de fevereiro de 2020 as 14:35, por: CdB

A UE está disposta a oferecer ao Reino Unido um acesso diferenciado ao seu mercado comum em um acordo comercial, com tarifas e cotas zeradas. 

Por Redação, com Reuters – de Estrasburgo

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, elogiou a ambição do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, em relação à assistência social e à ação climática e disse que isso pode servir como base de obrigações igualitárias na relação entre a União Europeia e o Reino Unido.

Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, discursa em Bruxelas
Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, discursa em Bruxelas

A UE está disposta a oferecer ao Reino Unido um acesso diferenciado ao seu mercado comum em um acordo comercial, com tarifas e cotas zeradas, mas insiste que direitos deste tipo implicariam em obrigações que garantissem uma concorrência justa.

– Não é hora de rebaixar a assistência social ou ser morno na ação climática. Não é hora de recuar em termos de regras de concorrência – disse Von der Leyen ao Parlamento Europeu em Estrasburgo nesta terça-feira.

Von der Leyen, que falou aos parlamentares do bloco durante um debate sobre a autoridade da UE para as negociações com Londres, disse que o Reino Unido precisaria dar garantias de padrões sociais, ambientais e para os consumidores, mas enfatizou que o premiê Johnson também pareceu querer padrões similarmente altos.

Discurso de Boris Johnson

– Ouvi ambição no discurso de Boris Johnson, ambição sobre o salário mínimo, ambição sobre os pagamentos aos pais… ouvi ambição sobre o corte de emissões de carbono, ambição sobre a garantia para que nossas empresas compitam em plena igualdade – disse.

– Isto é o que nós também queremos. Vamos combinar formalmente estes objetivos. Podemos desencadear formalmente uma concorrência dinâmica ascendente que beneficiaria tanto o Reino Unido quanto a União Europeia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *