Zimbábue: tropas esvaziam ruas e criam temor de permanência dos generais

Arquivado em: África, Manchete, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 2 de agosto de 2018 as 11:57, por: CdB

A repressão do Exército abateu a euforia que se seguiu à deposição de Robert Mugabe, que governou o país com mão pesada por muito tempo

Por Redação, com Reuters – de Harare:

Tropas ordenaram o fechamento de lojas e instruíram as pessoas a deixarem o centro da capital do Zimbábue nesta quinta-feira, um dia depois de três pessoas serem mortas por soldados enviados para dispersar manifestantes que clamavam que a eleição presidencial desta semana foi fraudada.

Militaresm em caminhão patrulham rua de Harare, capital do Zimbabwe

A repressão do Exército abateu a euforia que se seguiu à deposição de Robert Mugabe, que governou o país com mão pesada por muito tempo, oito meses atrás e atiçou as suspeitas de que os generais que deram o golpe continuam sendo os governantes de fato do Zimbábue.

Em Harare, o contraste não poderia ser maior em relação a novembro, quando centenas de milhares tomaram as ruas abraçando soldados e comemorando seu papel no afastamento de Mugabe, de 94 anos, o único líder que o país conheceu desde sua independência em 1980.

– Eles estão mostrando quem realmente são agora. Achávamos que eram nossos salvadores em novembro, mas eles nos enganaram – disse o vendedor de jornais Farai Dzengera, admitindo que o sonho breve de um fim às décadas de repressão acabou.

– Agora eles nos dizem para sair do centro da cidade. O que podemos fazer? Sairemos. Eles mandam neste país.

Violência

Quase todas as lojas do Centro de Harare foram fechadas, e as calçadas normalmente movimentadas ficaram estranhamente silenciosas. Várias ruas continuavam cobertas de entulho e cinzas deixados pelos confrontos de quarta-feira entre manifestantes e soldados.

– Estamos só esperando para ver o que eles farão em seguida, já que não nos querem no centro. Quem pode discutir com um homem armado? – indagou Isaac Nyirenda, bebendo uma cerveja de sorgo em uma garrafa plástica.

George Charamba, principal porta-voz do presidente Emmerson Mnangagwa, refutou os relatos como “notícias falsas que visam desestabilizar nosso país”.

– Minha mensagem hoje a todos os zimbabuanos é que hoje é um dia de trabalho normal. Eles devem cuidar de suas vidas como sempre – disse ele na televisão estatal.

A violência de quarta-feira, que ocorreu na esteira de uma eleição relativamente ordeira, acaba com as esperanças de Mnangagwa de reparar a imagem de uma nação que se tornou um símbolo de corrupção e colapso econômico sob Mugabe.

O uso de soldados para controlar a capital confirma os receios de que os generais que depuseram Mugabe estão firmes no comando, dizem analistas.

A comissão eleitoral, cujo site foi hackeado durante a noite, disse que anunciará os resultados da votação “muito em breve”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *