500 mil Cds são destruídos no DF

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado quarta-feira, 3 de dezembro de 2003 as 15:08, por: CdB

O Dia Nacional de Combate à Pirataria foi comemorado nesta quarta-feira pela Câmara Federal com a destruição de mais de 500 mil Cds falsificados. Um trator que levava artistas como a cantora Preta Gil, a dupla sertaneja Rick e Renner e o cantor Felipe Dylon passou por cima dos CDs apreendidos, colocados em frente ao Congresso Nacional. Toda operação foi acompanhada pela Polícia Federal. O ministro da Cultura, Gilberto Gil, e os presidentes da Câmara, deputado João Paulo Cunha (PT-SP), e do Senado, José Sarney (PMDB-AP), também estiveram presentes.
 
De acordo com a Federação Internacional da Indústria Fonográfica, o Brasil é o quinto maior produtor de CDs piratas de música em todo o mundo. Mas não são somente os artistas que são prejudicados pela pirataria. A indústria de livros também sofre as conseqüências do comércio ilegal. Estima-se que para cada livro vendido no País, quatro cópias piratas são feitas – o que implica num prejuízo de 400 milhões para o mercado editorial brasileiro.
 
No Congresso, há uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a pirataria. A CPI já conseguiu identificar um dos maiores contrabandistas do País, conhecido como Lobão, que já está preso. O presidente da CPI, deputado Medeiros (PL-SP), disse que o alvo da CPI não são os camelôs, mas os que produzem os produtos piratas. – A gente não está atrás do camelô, o camelô é uma vítima. Nós queremos pegar os grandes, os tubarões; já tem um na cadeia e a Polícia Federal está em busca de um mafioso de São Paulo que tem três shoppings onde só tem pirataria, contrabando e produto roubado. Para ele sobreviver tem que corromper policial, fiscal, mas essa CPI ele não vai corromper – disse.