Western em Caracas, duelo na praça principal

Por Celso Lungaretti – No mundo é carnaval, na Venezuela é bangue-bangue: o autoproclamado presidente Juan Maria Guaidó resolveu partir para o tudo ou nada contra o presidente de facto mas de fraude Nicolas Maduro, cuja recente reeleição teve a mesmíssima legitimidade da eleição de Jair Bolsonaro.

Continue lendo

É hora de rever o filme O Desafio, de 1965

Por Celso Lungaretti – O desalento e apatia nas fileiras da esquerda brasileira, após sofrer os sucessivos e terríveis abalos do impeachment da Dilma, prisão do Lula, eleição do Bolsonaro e entrega de Battisti à Itália, lembra muito a prostração subsequente ao golpe de 1964, quando a facilidade com que João Goulart foi expelido pelos conspiradores da caserna machucou quase tanto quanto a derrubada em si.

Continue lendo

Em memória às vítimas do Holocausto

Por Sheila Sacks – O historiador e documentarista inglês Laurence Rees, em seu livro “Holocausto, uma nova história” (2017) chama a atenção para o fato de que o holocausto não foi uma obra de louco. “Na reunião em que se decretou a solução final, havia 15 pessoas, oito delas eram doutores universitários, vários especialistas em Direito”, assinala.

Continue lendo

Fux, que vergonha!

Por José Ribamar Bessa Freire – Morro de vergonha com a decisão do ministro Luiz Fux (pronuncia-se fucks) do STF de suspender a investigação sobre as mutretagens do motorista Fabricio Queiroz envolvendo a família Bolsonaro, num montante que daria para comprar 700.000 pedalinhos.

Continue lendo

Cesare Battisti, traído e deportado

Por Rui Martins e Celso Lungaretti – Dois textos ainda atuais sobre a deportação pela Bolívia para a Itália do ex-militante da extrema esquerda italiana Cesare Battisti. Um homem transformado em objeto e traído por Evo Morales.

Continue lendo

Bolívia repete com Battisti o que fez com Guevara

Por Celso Lungaretti – Agora caberá a Evo Morales decidir se respalda o ato de coragem de Lula em 2010 ou se repete a abjeção e a infâmia de René Barrientos, que, em 1967. abriu o território boliviano para a caçada e execução de Che Guevara, sob o comando de oficiais estadunidenses.

Continue lendo