A esquerda ajudou a chocar o ovo de onde saiu Bolsonaro

Arquivado em: Arquivo CDB, Boletim, Destaque do Dia, Direto da Redação, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 15 de abril de 2020 as 16:39, por: CdB

A lógica do capitalismo é perpetuar a insatisfação e mitigá-la com o consumo (a cenoura colocada à frente do asno para que ele continue puxando a carroça). Um círculo vicioso perverso que faz a fortuna dos analistas, dos farsantes religiosos e dos picaretas da auto-ajuda.

Celso Lungaretti, de São Paulo, editor do site Náufrago da Utopia:
A esquerda chocou o ovo do inimigo
Vivemos numa sociedade que:
— desperdiça o potencial já existente para se proporcionar uma existência digna a cada habitante do planeta;
— que faz as pessoas trabalharem muito mais do que seria necessário para a produção do necessário e útil;
— que condena parcela substancial da população economicamente ativa ao desemprego, à informalidade e à mendicância;
— que estimula ao máximo a compulsão consumista sem dar à maioria a condição de adquirir seus objetos de desejo;
— que retirou do trabalho qualquer atrativo como realização individual, tornando-o apenas um meio para obtenção do vil metal (ou seja, uma nova forma de escravidão).
Então, os que ainda têm emprego e os empreendedores continuarão irrealizados, esforçando-se demais para nunca obterem as gratificações almejadas, pois a lógica do capitalismo é perpetuar a insatisfação e mitigá-la com o consumo (a cenoura colocada à frente do asno para que ele continue puxando a carroça). Um círculo vicioso perverso que faz a fortuna dos analistas, dos farsantes religiosos e dos picaretas da auto-ajuda.

É paradoxal que, em nossa época, formidáveis avanços científicos e tecnológicos coexistam com uma regressão ao ambiente medieval, com os nobres entrincheirados em condomínios de alto padrão, circulando em veículos brindados e só podendo levar vida social em shopping centers, não ousando mais exporem-se fora de suas fortalezas. No exterior desses espaços fortificados e vigiados, os bárbaros estão sempre à espreita, prontos para desferir seus golpes.

Uma previsão terrível de Friedrich Engels, um dos pais do marxismo: quando uma sociedade consegue aniquilar as forças progressistas que poderiam levá-la a um estágio superior de civilização, acaba sendo destruída pela barbárie. O paralelo é com Roma, que venceu os gladiadores de Spartacus mas sucumbiu aos povos atrasados, condenando o mundo a séculos de trevas.
.
TROCANDO EM MIÚDOS
.
Na ótica marxista, o capitalismo representou um estágio superior de civilização em relação ao feudalismo. No entanto, às vezes o sistema que já esgotou sua contribuição positiva é bem-sucedido em bloquear as forças de mudança. Foi o caso de Roma e está sendo o do capitalismo hoje.
Quanto a Roma, o que pegava era a escravidão. O passo seguinte seria reestruturar o Império a partir do trabalho de homens livres. E era a isso que levaria uma eventual vitória de Spartacus e seus gladiadores. Quando Spartacus foi derrotado, Roma e a escravidão entraram em lenta decadência, até que os bárbaros derrotaram o Império e o retalharam.
Então, voltou-se a um modo de produção bem primitivo: uma economia de base rural, um patamar há muito superado. Só a partir do mercantilismo se alcançou o estágio de desenvolvimento que a urbana Roma atingira. E a História passou a caminhar de novo para a frente.

Tanto o escravagismo quanto o capitalismo foram pujantes durante seus primórdios, para depois esgotarem sua contribuição e passarem a travar o desenvolvimento das forças produtivas. E atualmente é o capitalismo que cumpre esse papel de deter o progresso.

P. ex., se hoje o aparato produtivo se voltasse para o atendimento das necessidades sociais, ganharia um impulso formidável. Já pensaram em tudo que teríamos de fazer para compatibilizar nossas atividades econômicas com o meio-ambiente?
No direcionamento das pesquisas médicas para a cura das moléstias e a descoberta de vacinas eficazes, em vez de investir-se prioritariamente em medicamentos que apenas prolongam a vida dos pacientes e amenizam seu sofrimento?
No monumental esforço de educação em massa que teria de ser empreendido para que todos os cidadãos, sem exceção, se tornassem realmente civilizados?
Bem vistas as coisas, a história da humanidade foi até agora a história da luta contra a necessidade. Só no século 20 passaram a existir condições científicas e tecnológicas de se produzir o suficiente para garantir uma sobrevivência digna a cada habitante do planeta. A possibilidade de atingirmos um estágio superior de civilização atualmente, é enorme. O problema deixou de ser a escassez, mas sim a adoção de prioridades erradas.
Ultrapassamos a barreira da necessidade e estamos prontos para ingressarmos no reino da liberdade. Só falta direcionarmos o potencial produtivo para o que é realmente necessário e útil: habitação, alimentação, vestuário, saúde, cultura, esporte, lazer.
Os homens poderiam trabalhar muito menos, viver muito bem e desenvolverem plenamente suas potencialidades. É tudo questão de mudarmos o foco. Para que precisamos de bancos, afinal? Das várias burocracias? Da propaganda que exacerba o consumo?

Escravidão e feudalismo não surgiram por mandamentos divinos. Resultaram de circunstâncias históricas e foram descartados quando as circunstâncias mudaram. O capitalismo também pode ser substituído por uma organização diferente da vida econômica e social.

É ultrajante que ainda exista tanta gente passando fome, tantos desempregados e subempregados. Quanta sordidez e quanto sofrimento inútil!
.
TOQUE DO AUTOR Caso os leitores não tenham notado,  o texto acima nada tem de novo. Todas as suas frases foram extraídas do meu artigo A barbárie nos ronda , que coloquei no ar há mais de 13 anos, em 22/02/2007, ainda no blog O Rebate, pois o Náufrago da Utopia surgiria apenas em agosto de 2008. 
Só acrescentei o intertítulo, nenhuma palavra mais. E deletei algumas passagens menos relevantes e outras que evidenciariam ser ele originário da década passada, além de melhorar a diagramação.  
Perguntarão os leitores se isto não passa de um exercício de narcisismo ou tenho algo mais sério em mente? Tenho.

É que A barbárie nos ronda foi meu artigo daquela época no qual mais me alonguei sobre um posicionamento que perpassava muitos dos meus textos de então: o de que o compromisso dos revolucionários é conduzir a humanidade a um estágio superior de civilização.

Isto porque o populismo de esquerda (leia-se PT)  considerava irrelevante esta proposição marxista. Passara a nortear-se pela estreiteza dos critérios geopolíticos e pela amoralidade da realpolitik, adotando a postura utilitarista de que, para desgastar as nações capitalistas avançadas, valia tudo (mesmo apoiarmos as mais retrógradas tiranias fundamentalistas dos países árabes, que ainda estavam espiritualmente estacionadas na Idade Média!) e tratar os direitos humanos como perfumarias (já que algumas nações pseudo-socialistas não davam a mínima para eles).
Preguei no deserto, pois havia bem poucos ouvidos de esquerda abertos para escutarem críticas ao partido que estava no poder e era dono de todas as boquinhas a serem distribuídas aos que fechavam os olhos à sua descaracterização. Aliás, também nisto não havia novidade, pois acontecera exatamente o mesmo, em escala bem maior, durante o stalinismo.
Os resultados estão aí: arrogantes e impermeáveis às críticas que poderiam revitalizá-los e melhorá-los, tanto o stalinismo quanto o PT ruíram fragorosamente.


E, no terreno semeado pelo populismo de esquerda, de desprezo pelo pensamento, pela ciência e pelos valores humanistas, com um líder cheio de limitações intelectuais, políticas e ideológicas sendo idolatrado como um messias, brotou o populismo de direita, que não passa de uma versão mais tosca e exacerbada dos mesmos defeitos. 

As boçalidades que hoje tanto nos repugnam  encontraram terreno fértil entre o povão porque ele passara anos e anos sendo doutrinado com base em meia-dúzia de slogans simplistas (pois o que dele se queria eram apenas os votos, não uma participação em pé de igualdade), até ficar acreditando piamente que, como diziam os versos sarcásticos da canção Cambalache¡Todo es igual!/ ¡Nada es mejor!/ Lo mismo un burro/ Que un gran profesor
Eis que hoje, ao invés de um grande professor como o FHC, temos na presidência da República um burro chamado Bolsonaro. Alguém está gostando? 
Mais: alguém já se deu conta de que a forma chocante como o populismo de esquerda ultrapassou todos os limites da civilidade para assassinar a reputação de FHC tem muito a ver com a perda de respeito dos incultos pelo conhecimento arduamente adquirido? 

E que, graças a isto, essas hordas de primatas já não se envergonham (pelo contrário se orgulham), de desfilarem em carreata pela avenida Paulista, bloqueando ambulâncias e ecoando o mais grotesco besteirol da extrema-direita?   


Tomara que as amargas lições que estamos recebendo há 15 meses nos façam perceber que, findo esse show de aberrações extemporâneo e que já está nos estertores, teremos de reconstruir a esquerda de forma bem diferente, reatando o compromisso com a civilização, com os interesses superiores da humanidade, com a plena liberdade, com a solidariedade, com a compaixão e com o pensamento crítico, pois estes são componentes indissociáveis da revolução com que Marx, Proudhon e outros titãs sonharam. 

A igualdade econômica que, enquanto depreciam o restante, os reducionistas valorizam em sua retórica (sem, contudo, conseguirem viabilizá-la na prática), não basta.

Certa vez constatei que os 12 mandamentos de Cristo eram reverenciados durante os feriados religiosos, mas em todos os outros dias do ano os cristãos se norteavam, isto sim, pelo 11º mandamento: Mateus, primeiro os teus.
É desolador percebermos que se pode afirmar quase o mesmo sobre os ensinamentos dos grandes pensadores do marxismo e do anarquismo…
Celso Lungaretti, jornalista e escritor,  foi resistente à ditadura militar ainda secundarista e participou da Vanguarda Popular Revolucionária. Preso, torturado e processado, escreveu o livro Náufrago da Utopia (Geração Editorial). Tem um ativo blog com esse mesmo título.

Direto da Redação é um fórum de debates editado pelo jornalista Rui Martins.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *