A mais bela árvore de Natal

Arquivado em: Arquivo CDB, Boletim, Destaque do Dia, Direto da Redação, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 25 de dezembro de 2018 as 09:10, por: CdB
É, sim, a maior e mais bela árvore de Natal de todos os tempos. Podem conferir. Ato de adoração é sondar seus enfeites, bolas gigantescas, pintadas de mais e mais cores, suspensas nessa imensidão para lá do alcance dos olhos humanos. Espetáculo etéreo o ritmo arredondado de seus bailados, obedientes a mágicos impulsos.

Por Apollo N

Uma árvore gigante no espaço
Ora, sucedeu à matéria primitiva nascida do Verbo se incendiar, girar, girar e lançar blocos incandescentes, resfriados a seu tempo. E assim se fez nascerem os globos com os nomes de Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter, Urano, Netuno, Saturno, Plutão. Vigiados, todos, pelo fogo principal, o Sol.

Dessas esferas se desprenderam outras, seus satélites e luas, premeditadamente equilibrados na amplidão. Ora, sucedeu a alguns não terem dado origem a nenhum globo secundário. Prende a respiração assisti-los sustentados no vazio, solitários no silêncio cósmico, pincelados de crepúsculos e noites esplendorosas.

Noites esplendorosas interceptadas por astros errantes, os cometas, viajantes do Universo, apressados em explorar domínios celestes sem fronteiras, escuridões eternas salpicadas de estrelas. Ligeiros, lá vão eles com suas cabeleiras esfogueadas, a profanar o santuário das obras criadas. Festeiros, a enveredar por estradas empoeiradas de ouro, a aturdir nossa imaginação.

O globo Sol, seus elegantes planetas e luas, também debaixo de outros distantes sóis mais refulgentes. Quantos deles a desfilar na passarela do infinito? A vaguear, iluminar, fecundar.

Aconchegados também eles por outros desmesurados frutos iluminados do jardim dos astros, adornados como noivas no altar por seus cortejos de súditos fulgurantes.
Flores vivas das campinas celestes, esse estonteante lençol esbranquiçado sobre nossas cabeças. Por sua aparência leitosa os antigos chamaram de Via Láctea.
Via Láctea, regato de leite da mitologia, vasto campo de inconcebíveis maravilhas do céu. Olhos humanos alcançam suas irradiações magníficas na abóboda da noite. Sabe os sóis luminosos da Via Láctea acima dos nossos planetas e luas? Do mesmo modo, eles, faiscantes, ladeados por outros sóis e súditos. Espicaçam a imaginação a crer em iguais milagres a se repetirem pela vastidão sem fim.
Outros sóis abraçando outros, e outros sóis acariciando outros, em comunhão respeitosa com seus súditos e súditos reluzentes.
E essa bola, aqui, a deslizar na fileira de planetas ao redor do Sol, estão vendo? A Terra! Também ela um festival de cores e luzes com seus magníficos crepúsculos e noites resplandescentes, berço de criaturas abrigadas nas asas da Providência. Deste nosso formoso planeta azul se desprendeu a Lua.

Devedora de calor, fria, é para sempre  sentenciada a adoçar com seus olhos de prata mansamente azulados os corações dos enamorados, tornando-os infantis e sentimentais.

Perceba o ponto brilhante encimando a árvore.

É o farol luminoso há dois mil anos a iluminar nossos caminhos e guiar nossos passos.

É o clarão daquele Pixotinho judeu ora aniversariante. Afeição entre as criaturas é o seu eterno sermão. Deseja nos ver crianças.

Crianças; mais luz, mais esperança, até nas lágrimas. O adulto-criança, esse é exortado a ser manso como as pombas. Por seu direito de viver, prudente como as serpentes.

Sendo esse clarão o Educador maior a lecionar por estas paragens, seu ofício é ensinar bons modos à humanidade. Seu Reino de Deus não é um lugar. É um estado de alma voltado para o bem.

Sendo esse farol luminoso o Linguista do Cosmo, lançou os fundamentos do idioma do bem-querer, para ser falado em todos os lares, tribunas, púlpitos, todos os globos e seus súditos, todas as poeiras de ouro e riachos de leite, todos os luzeiros do firmamento pendentes dessa mais fascinante árvore de todos os tempos. É bom.

Por Apollo Natali, in memoriam – colunista do Direto da Redação, ex-editor e redator na Agência Estado.
Direto da Redação é um fórum editado pelo jornalista Rui Martins.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *